Ajoelhaço: Um momento de perdão

Na quarta feira (9), São Paulo teve uma noite diferente na periferia da Zona Sul.
No sarau da Cooperifa aconteceu a quarta edição do “Ajoelhaço”, quando os homens se ajoelham em frente às mulheres para pedirem perdão pelas falhas e injustiças cometidas ao longo da história, até os dias de hoje.

A Cooperifa é um movimento cultural de periferia existente há 10 anos, com o intuito de reunir poetas urbanos e periféricos, para “comungar a palavra”, como diz o poeta e idealizador do sarau, Sérgio Vaz. Dando voz a todas as pessoas sem distinção, inclusive as mulheres que a cada sarau comparecem e fortalecem o movimento feminino na literatura contemporânea – recitando e fazendo poesia.

O sarau estava com a cara delas. No microfone por meio das palavras, os homens declararam seu respeito e admiração as mães, irmãs, avós, esposas e namoradas pelo dia da mulher, que segundo alguns poetas são todos os dias.

Em contra partida algumas poetisas ressaltaram a hipocrisia de alguns homens – que respeitam e lembram-se da importância das mulheres apenas no dia 8 de março.

As poesias divergentes pairaram no bar do Zé Batidão, com mais gente que o habitual, todas as mesas estavam ocupadas, e até para ficar em pé, qualquer canto do bar era disputado. Todos ansiosos pelo “ajoelhaço” que acontece apenas uma vez ao ano.

Por volta das 22h40 os homens já se reuniam. O ato de ajoelhar não é obrigatório. Somente àqueles que se sentissem a vontade e tivessem coragem de deixar a vaidade e o orgulho para fora do bar – é quem participava do ato.

Todos de joelhos, um dos poetas com o microfone na mão lia o pequeno texto, e os demais repetiam. Entre eles a diversidade, homens novos, outros com mais idade, casados e solteiros, mas todos eles pedindo um só perdão.

As feições femininas eram as mais diversas, umas curiosas, outras incrédulas, outras alegres, mas a maioria das mulheres estava realmente comovida.

O “ajoelhaço” vem trazer um momento de reflexão – que os homens sejam capazes de respeitar e valorizar a mulher pela sua força e história todos os dias, de joelhos ou não.

Confira as fotos feitas por Nina Fidelis:

 

 

Sobre Angelina Miranda @AngelinahMirand

Angelina Miranda, é estudante de jornalismo e coloboradora de sites e blogs que visam a divulgação de movimentos culturais, através de um jornalismo comunitário. Blog: www.angelinamiranda.blogspot.com

7 comentários

  1. Adorei a ideia do Ajoelhaço, e bem lembrado da hipocrisia de alguns homens de exaltam as mulheres no dia 8 de março e no resto do ano esquecem das mulheres, e do que elas verdadeiramente são!!

  2. O Sergio vaz é, além de poeta, um grande líder. Incontestável. Quem ainda não foi ao Sarau da Cooperifa precisa ir, precisa sentir a energia daquele lugar. Acho que precisamos fazer o ajoelhaço aqui no Espaço Enraizados e quem tem que liderar o bonde é o Samuca Azevedo. O que acham??

  3. Essa Parada foi tremenda!é algo que dificilmente se ve,- Eu digo, temos que respeitalas ,pois são elas que nós fazem acredita na mudança e na busca de um amanhã melhor,são elas as rosas que nos da alegria e nós deixa radiante

  4. EU ACHOOOO ÓTIMA IDÉIA DUDU…

    Ano que vem vamos organizar um AJOELHAÇO no Espaço Enraizados… E certamente o que não vai faltar é liderança para o Bonde rsrsrsr

  5. A Cooperifa é uma grande iniciativa que está chamando a atenção de muita gente. As pessoas começam a despertar para a boa poesia poesia e a reflexão. Adorei a descrição do texto, mostra o real efeito desse ajuntamento!

    Parabéns por dar espaço às coisas boas da vida

  6. Um momento único, uma energia monstra e o perdão é sincero!
    Parabêns pela matéria captou com o coração!

Deixe uma resposta para Beatriz Stassen Cancelar resposta