sexta-feira, 21 junho, 2024
Léo da XIII, DJ Léo Ribeiro, DMA e Marcão Baixada

#ComboIO se apresentará no programa ZoaSom, da Rádio MEC

Eu (Dudu de Morro Agudo) fui convidado a participar do programa ZoaSom, da Rádio MEC nesta quinta-feira, dia 22 de novembro. Como já é de costume – e esperado, me apresentarei com o coletivo #ComboIO, formado por mim, Marcão Baixada, Léo da XIII e DJ Léo Ribeiro (que infelismente não estará presente nesta apresentação por motivos de logística). Está previsto o grupo tocar quatro músicas e depois eu participarei de um bate papo sobre a cultura hip hop.

O ZoaSom, que é apresentado por Laura Zandonadi e Jorge Freire, rola toda quinta-feira, ao vivo, às 14h, na Rádio MEC AM 800 Khz, tem uma hora de duração e é um programa feito por jovens e para jovens. É um espaço para a galera mostrar a cara, dizer o que pensa e, claro, curtir muita música. Toda semana uma banda independente mostra o seu som e um tema esquenta o debate.

Além da  plateia que enriquece as conversas, a galera pode participar através do Twitter (@ZoaSom) ou pelo Facebook (ZoaSom Programa), dando opiniões sobre o tema do dia. Mas se por algum motivo você perder a transmissão “ao vivo”, não se preocupe, pois todo o conteúdo vai para o blog e a discussão rola solta no www.zoasom.com.

Quem quiser curtir ao vivo é só chegar no auditório da Rádio MEC, na Praça da República, 141 -A, no Centro do Rio de Janeiro.

[soundcloud url=”http://api.soundcloud.com/tracks/41142013″ iframe=”true” /]

O ZoaSom é uma produção da ong de comunicação Centro de Imprensa, Assessoria e Rádio – CRIAR BRASIL e uma realização da Rádio MEC AM, uma emissora da Empresa Brasil de Comunicação – EBC.

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, educador popular, produtor cultural, escritor, mestre e doutorando em Educação (UFF). Dudu de Morro Agudo lançou os discos "Rolo Compressor" (2010) e "O Dever Me Chama" (2018); é autor do livro "Enraizados: Os Híbridos Glocais"; Diretor dos documentários "Mães do Hip Hop" (2010) e "O Custo da Oportunidade" (2017). Atualmente atua como diretor geral do Instituto Enraizados; CEO da Hulle Brasil; coordenador do Curso Popular Enraizados.

Além disso, veja

O papel da educação clandestina na formação Política

Este texto reflete sobre o conceito de "Educação Clandestina", destacando sua abordagem contrária ao ensino formal. Explora as lacunas do sistema educacional brasileiro, particularmente em relação à alfabetização e ao letramento nas escolas periféricas. Descreve como movimentos sociais reúnem conhecimentos diversos, ausentes das instituições formais, promovendo uma troca que desafia o status quo. Aponta a importância da conscientização política e da ação crítica na transformação da realidade. Destaca a educação clandestina como um processo contínuo de formação política, capaz de despertar indivíduos para a realidade e capacitá-los a questionar, refletir e agir em prol da mudança social.

Deixe um comentário