sexta-feira, 21 junho, 2024

Dia da Rima 2012

Em 2009, DMA (Dudu de Morro Agudo) se reuniu com os rappers Wilson Nenem e Átomo, no dia 27 de dezembro, para beber um vinho e fazer rimas. Nesse dia surgiu a música “Brisa” e consequentemente DMA nomeou esse dia de “O DIA DA RIMA”.

Este ano O DIA DA RIMA se consolida tradição no Movimento Enraizados, pois pelo quarto ano consecutivo, na mesma data (27 de dezembro) haverá um encontro de cerca de 40 MCs – já confirmados – com o único objetivo de reencontrar os amigos e criar músicas, pois o lema é “diversão e rima”.

A partir das 19 horas rolará pocket shows dos MCs Marcão Baixada, Slow da BF, Dudu de Morro Agudo, Léo da XIII, Lupa, Petter MC, Marcello Dughettu, Átomo, Ualax MC, Bella B, Kall, Morf, Nyl MC, Pêvirguladez e muitos outros, são mais de 20 shows.

SERVIÇO

Data: 27 de dezembro de 2012
Horário: A partir das 19 horas
ENTRADA GRÁTIS
LATA R$3,00
CHURRASQUINHO R$2,00

+ Infos: http://dududemorroagudo.com/dia-da-rima-2012

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, educador popular, produtor cultural, escritor, mestre e doutorando em Educação (UFF). Dudu de Morro Agudo lançou os discos "Rolo Compressor" (2010) e "O Dever Me Chama" (2018); é autor do livro "Enraizados: Os Híbridos Glocais"; Diretor dos documentários "Mães do Hip Hop" (2010) e "O Custo da Oportunidade" (2017). Atualmente atua como diretor geral do Instituto Enraizados; CEO da Hulle Brasil; coordenador do Curso Popular Enraizados.

Além disso, veja

O papel da educação clandestina na formação Política

Este texto reflete sobre o conceito de "Educação Clandestina", destacando sua abordagem contrária ao ensino formal. Explora as lacunas do sistema educacional brasileiro, particularmente em relação à alfabetização e ao letramento nas escolas periféricas. Descreve como movimentos sociais reúnem conhecimentos diversos, ausentes das instituições formais, promovendo uma troca que desafia o status quo. Aponta a importância da conscientização política e da ação crítica na transformação da realidade. Destaca a educação clandestina como um processo contínuo de formação política, capaz de despertar indivíduos para a realidade e capacitá-los a questionar, refletir e agir em prol da mudança social.

Deixe um comentário