terça-feira, 23 abril, 2024
Rumpi Monde
Rumpi Monde

Rumpi Mondé: um filme que transmite energia sem uma única fala

Rumpi Mondé retrata Zumé, um jovem imerso nas ruas do Rio de Janeiro durante uma madrugada ímpar em sua vida. Ao sair de casa o rapaz se encontra em um ambiente repleto de símbolos e situações que o colocam em conflito com o meio em que se encontra. Zumé se depara com álcool, mulheres e experiências espirituais na noite, tendo seu desfecho num amanhecer imagético e grave no qual caminha descalço de volta para sua casa.

Envolto nas músicas que fluem e agem como agente de mudança Zumé se torna o ambiente no qual seu espírito vive e reina: A RUA.

O filme foi lançado em 29 de agosto de 2013 e dialoga com religiões afro brasileiras. Além de não possuir falas, tem a trilha como um plano vivo no filme.

ENGLISH VERSION

Rumpi Mondé portrays Zumé a young man immersed in the streets of Rio de Janeiro during a dawn unparalleled in his life. When leaving home the boy is in a mood full of symbols and situations that bring them into conflict with the medium in which he is. Zumé faced with alcohol, women and spiritual experiences at night. As dawn breaks, the outcomes of the night develop into a sequence of severe morning imagery where he finds himself walking barefoot on his return back home.
Wrapped in songs that flow and act as a change agent Zumé becomes the environment in which his spirit lives and reigns: THE STREET.

 

 

 

 

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, educador popular, produtor cultural, escritor, mestre e doutorando em Educação (UFF). Dudu de Morro Agudo lançou os discos "Rolo Compressor" (2010) e "O Dever Me Chama" (2018); é autor do livro "Enraizados: Os Híbridos Glocais"; Diretor dos documentários "Mães do Hip Hop" (2010) e "O Custo da Oportunidade" (2017). Atualmente atua como diretor geral do Instituto Enraizados; CEO da Hulle Brasil; coordenador do Curso Popular Enraizados.

Além disso, veja

O papel da educação clandestina na formação Política

Este texto reflete sobre o conceito de "Educação Clandestina", destacando sua abordagem contrária ao ensino formal. Explora as lacunas do sistema educacional brasileiro, particularmente em relação à alfabetização e ao letramento nas escolas periféricas. Descreve como movimentos sociais reúnem conhecimentos diversos, ausentes das instituições formais, promovendo uma troca que desafia o status quo. Aponta a importância da conscientização política e da ação crítica na transformação da realidade. Destaca a educação clandestina como um processo contínuo de formação política, capaz de despertar indivíduos para a realidade e capacitá-los a questionar, refletir e agir em prol da mudança social.

Deixe um comentário