quinta-feira, 18 julho, 2024

Sérgio Sá Leitão é o novo ministro da cultura

Após mais de um mês sem Ministro da Cultura, o presidente fora-Temer indica o jornalista Sérgio Sá Leitão como o novo Ministro.

Pra quem não tá ligado(a) logo depois de efetivar o golpe, fora-Temer acabou com o Ministério da Cultura, juntando-o com o Ministério da Educação, o que gerou uma série de protestos pelo Brasil agora, inclusive a ocupação do prédio Gustavo Capanema, onde funciona o Minc no Rio de Janeiro.

Fora-Temer voltou atrás e anunciou o Marcelo Calero – na época secretário de cultura do Rio de Janeiro – como novo Ministro. O fato é que ele já havia convidado uma série de pessoas para o cargo, mas ninguém aceitou.

Calero pede demissão sete meses depois, após revelar uma sujeira osquestrada pelo, na época Ministro de Governo, Geddel Vieira Lima, que estava o pressionando para que ele intervisse para que o Iphan liberasse uma obra em Salvador, onde Geddel teria um apartamento (conseguido sabe-se lá de que forma), mas fora-Temer defendeu Geddel e então Calero meteu o pé.

Geddel foi preso no último mês por outros crimes, mas infelizmente agora está em prisão domiciliar.

Com a saída de Calero, quem assumiu a Ministério da Cultura foi o Deputado Federal Roberto Freire (PPS-SP), que pediu demissão seis meses depois, assim que divulgaram a gravação do fora-Temer como Joesley Batista, o dono da JBS (Friboi e Havaianas), sim ele também é dono das sandálias Havaianas que tá no teu pé.

Então João Batista de Andrade assumiu a batata quente como interino, mas pediu pra sair antes mesmo de entrar.

Em uma entrevista para a BandNews ele disse que o Ministério da Cultura é uma verdadeira furada porque não tem dinheiro na pasta, não dá pra fazer nada, é só aborrecimento.

A pasta já sofria vários cortes no orçamento desde os últimos governos. Mas só em 2017 houve um corte de 47% no orçamento do Minc, sim, eu disse 47%, diminuindo pela metade aquilo que já estava ruim.

A partir daí, ninguém em sã consciência queria segurar esse elefante branco, mas sabe-se lá Deus porque, Sérgio Sá Leitão aceitou.

Quem é Sergio Sá Leitão?

Sérgio Sá Leitão é graduado em jornalismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Foi repórter e editor do Jornal do Brasil e da Folha de S.Paulo, e na década de 2000 migrou para a carreira de cineasta, como diretor de filmes, documentários e propagandas.

É co-autor dos livros “Futebol-arte: a cultura e o jeito brasileiro de jogar” (1998) e “Marketing esportivo ao vivo” (2000), entre outros.

Entre 2003 e 2006, Sá Leitão foi Chefe de Gabinete do então Ministro da Cultura, Gilberto Gil, e Secretário de Políticas Culturais do MinC. Em maio de 2006, assumiu o posto de assessor da presidência do BNDES, atuando na criação do Departamento de Economia da Cultura e do Programa de Apoio à Cadeia Produtiva do Audiovisual (Procult). No MinC, coordenou os programas Copa da Cultura, Música do Brasil, CulturaPrev e Economia da Cultura, entre outros.

Em 2007, foi nomeado assessor de diretoria da Agência Nacional do Cinema (Ancine). No ano seguinte passou a diretor do órgão, com mandato até 2010. No entanto, em janeiro de 2008 deixou o cargo para presidir a RioFilme, a convite do prefeito Eduardo Paes.

Também foi secretario municipal da Cultura do Rio de Janeiro entre 2012 e 2015.

[Fonte: Wikipedia]

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, educador popular, produtor cultural, escritor, mestre e doutorando em Educação (UFF). Dudu de Morro Agudo lançou os discos "Rolo Compressor" (2010) e "O Dever Me Chama" (2018); é autor do livro "Enraizados: Os Híbridos Glocais"; Diretor dos documentários "Mães do Hip Hop" (2010) e "O Custo da Oportunidade" (2017). Atualmente atua como diretor geral do Instituto Enraizados; CEO da Hulle Brasil; coordenador do Curso Popular Enraizados.

Além disso, veja

O papel da educação clandestina na formação Política

Este texto reflete sobre o conceito de "Educação Clandestina", destacando sua abordagem contrária ao ensino formal. Explora as lacunas do sistema educacional brasileiro, particularmente em relação à alfabetização e ao letramento nas escolas periféricas. Descreve como movimentos sociais reúnem conhecimentos diversos, ausentes das instituições formais, promovendo uma troca que desafia o status quo. Aponta a importância da conscientização política e da ação crítica na transformação da realidade. Destaca a educação clandestina como um processo contínuo de formação política, capaz de despertar indivíduos para a realidade e capacitá-los a questionar, refletir e agir em prol da mudança social.

Deixe um comentário