quarta-feira, 17 julho, 2024

[30-MAI] Festa InterUniversitária (Pela campanha para compra da sede do Enraizados)

No dia 30 de maio, sexta-feira, vai rolar uma festa nunca vista antes no Espaço Enraizados, uma balada InterUniversitária com amigos de nove universidades já confirmadas: Estácio de Sá, UFRRJ, IFRJ, UFRJ, PUC, FEBF, UNIG, UNIRIO e UERJ.

A festa, que faz parte da campanha “A Casa do Enraizados também é minha”, tem como objetivo principal arrecadar dinheiro para a compra da sede do Movimento Enraizados e será comandada pelos DJs Marcão Baixada e Rodrigo Caetano, começará às 20 horas e não tem hora pra acabar. Os Djs prometem tocar de tudo, pra agradar a gregos e troianos, e os produtores garantem que durante a festa haverão muitas surpresas.

Quem quiser indicar músicas e/ou ritmos para os DJs tocarem na festa, podem sugerir postando links na página do evento no Facebook.

Quem quiser comprar os ingressos antecipadamente, podem ir ao Espaço Enraizados ou ligar para (21)9.7497-7775 e reservar o seu.

SERVIÇO:
Festa InterUniversitária
Onde: Espaço Enraizados – Rua Thomaz Fonseca, 508 – Morro Agudo – Nova Iguaçu – RJ
Como chegar? Clique aqui e veja no mapa
Ingresso: R$10 (que serão revertidos para a campanha do Enraizados)
Horário: A partir das 20 horas.
Dia 30 de maio de 2014.

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, educador popular, produtor cultural, escritor, mestre e doutorando em Educação (UFF). Dudu de Morro Agudo lançou os discos "Rolo Compressor" (2010) e "O Dever Me Chama" (2018); é autor do livro "Enraizados: Os Híbridos Glocais"; Diretor dos documentários "Mães do Hip Hop" (2010) e "O Custo da Oportunidade" (2017). Atualmente atua como diretor geral do Instituto Enraizados; CEO da Hulle Brasil; coordenador do Curso Popular Enraizados.

Além disso, veja

O papel da educação clandestina na formação Política

Este texto reflete sobre o conceito de "Educação Clandestina", destacando sua abordagem contrária ao ensino formal. Explora as lacunas do sistema educacional brasileiro, particularmente em relação à alfabetização e ao letramento nas escolas periféricas. Descreve como movimentos sociais reúnem conhecimentos diversos, ausentes das instituições formais, promovendo uma troca que desafia o status quo. Aponta a importância da conscientização política e da ação crítica na transformação da realidade. Destaca a educação clandestina como um processo contínuo de formação política, capaz de despertar indivíduos para a realidade e capacitá-los a questionar, refletir e agir em prol da mudança social.

Deixe um comentário