quarta-feira, 17 julho, 2024

A bolha que causa uma falsa impressão do hip hop

Os artistas fake do hip hop prejudicam os que querem trabalhar com profissionalismo

Olá leitores da minha coluna aqui no Portal Enraizados, hoje vou tratar de um assunto delicado, que pode mexer com egos, mas que é extremamente necessário. Vou falar dos MCs, grafiteiros, Bboys e DJs que não levam suas carreiras a sério, os chamarei aqui de “artistas modinha”.

Vamos lá?

Vejo diariamente artistas cujo objetivo principal está em esperar o fim de semana chegar para ir pras rodas culturais participar das batalhas de MCs com suas “rimas decoradas”, ou fazer graffitis com “os mesmos traços” do gringo que ele segue no instagram, ou mostrar que sabe fazer um “moinho de vento” que aprendeu há dez anos, ou, no caso dos DJs modinha, “syncá” em sua controladora.

O que eu vejo todos os dias são os “artistas modinha”, uns imitando os outros.

Se o seu objetivo não é se tornar um fenômeno viralizador, precisará trabalhar duro para construir uma carreira sólida, que conseguirá passar pelas adversidades que certamente virão, e trabalhar duro significa estudar muito, gerenciar sua carreira e investir pesado nela.

Os pseudo-artistas fazem um desserviço à cultura hip hop, criando uma bolha que faz parecer que o movimento está em alta, quando na verdade está cheio de artistas medíocres que ocupam o lugar dos que realmente têm algo relevante para mostrar.

Você que é MC, BBoy, Grafiteiro e/ou DJ, já se perguntou onde você quer chegar e até onde você está disposto a ir?
O quanto você acredita na sua carreira?
E quanto você está disposto(a) a investir nela?

 

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, educador popular, produtor cultural, escritor, mestre e doutorando em Educação (UFF). Dudu de Morro Agudo lançou os discos "Rolo Compressor" (2010) e "O Dever Me Chama" (2018); é autor do livro "Enraizados: Os Híbridos Glocais"; Diretor dos documentários "Mães do Hip Hop" (2010) e "O Custo da Oportunidade" (2017). Atualmente atua como diretor geral do Instituto Enraizados; CEO da Hulle Brasil; coordenador do Curso Popular Enraizados.

Além disso, veja

O papel da educação clandestina na formação Política

Este texto reflete sobre o conceito de "Educação Clandestina", destacando sua abordagem contrária ao ensino formal. Explora as lacunas do sistema educacional brasileiro, particularmente em relação à alfabetização e ao letramento nas escolas periféricas. Descreve como movimentos sociais reúnem conhecimentos diversos, ausentes das instituições formais, promovendo uma troca que desafia o status quo. Aponta a importância da conscientização política e da ação crítica na transformação da realidade. Destaca a educação clandestina como um processo contínuo de formação política, capaz de despertar indivíduos para a realidade e capacitá-los a questionar, refletir e agir em prol da mudança social.

Deixe um comentário