terça-feira, 28 maio, 2024
Dudu de Morro Agudo
Dudu de Morro Agudo

DMA e a banca do Enraizados durante o evento de Diversidade Cultural, no RJ

No dia 04 de setembro fiz uma apresentação durante o I Encontro de Diversidade Cultural, que aconteceu na Lapa, no Rio de Janeiro. A apresentação foi na verdade um pocket show de 15 minutos, mas como eu sabia que a estrutura seria boa – coisa não muito comum para o rap do Rio de Janeiro – convidei meus amigos e parceiros de caminhada no hip hop – Léo da XIII, Lisa Castro, Kall Gomes, Átomo, Fábio ACM, Oxy e Dante – para compartilharem deste momento comigo.

Passamos o som às 13 horas, foi quando a minha rapaziada sentiu pela primeira vez a energia do palco, depois voltamos às 19 horas para nos apresentarmos. Entramos no palco aproximadamente às 21 horas e mesmo com todos os problemas na produção – esqueceram de dar o microfone pra mim e para os outros rappers, as tintas dos grafiteiros do meu bonde a produção deu para outro grupo, a segurança deixou uma senhora com deficiência mental entrar conosco no palco semi nua, onde ela permaneceu um bom tempo – a apresentação foi um sucesso.

Acredito que, assim como eu, todos os outros que participaram conseguiram sentir a energia do público que trocou conosco durante e depois da apresentação. Consegui ver muitos amigos que fizeram vídeos, como o Alexandre de Maio e o TC, enquanto muitos outros tiravam fotografias maravilhosas, como por exemplo a fotógrafa Marilda Borges.

Abaixo deixo para apreciação parte do material recolhido, espero que comentem, pois é importante tanto pra mim, quanto para os outros participantes.

GALERIA DE FOTOS

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, educador popular, produtor cultural, escritor, mestre e doutorando em Educação (UFF). Dudu de Morro Agudo lançou os discos "Rolo Compressor" (2010) e "O Dever Me Chama" (2018); é autor do livro "Enraizados: Os Híbridos Glocais"; Diretor dos documentários "Mães do Hip Hop" (2010) e "O Custo da Oportunidade" (2017). Atualmente atua como diretor geral do Instituto Enraizados; CEO da Hulle Brasil; coordenador do Curso Popular Enraizados.

Além disso, veja

O papel da educação clandestina na formação Política

Este texto reflete sobre o conceito de "Educação Clandestina", destacando sua abordagem contrária ao ensino formal. Explora as lacunas do sistema educacional brasileiro, particularmente em relação à alfabetização e ao letramento nas escolas periféricas. Descreve como movimentos sociais reúnem conhecimentos diversos, ausentes das instituições formais, promovendo uma troca que desafia o status quo. Aponta a importância da conscientização política e da ação crítica na transformação da realidade. Destaca a educação clandestina como um processo contínuo de formação política, capaz de despertar indivíduos para a realidade e capacitá-los a questionar, refletir e agir em prol da mudança social.

4 comentários

  1. Pelas fotos e o video senti a energia possitiva que foi esse grande evento,espero conseguir comparecer em outro evento ,desse vez eu fiquei na pista,devido a poblemas de saúde,mas o importante é que todos curtiram numa boa,paz a todos.!!!!!!!!!!

  2. Pô mano, as fotos ficaram muito boas, véi. O vídeo ainda não deu pra mim assistir, mas assim que der eu assisto.

    PAZ

    @PetterMC

  3. Na cinza noite o verso ecoa; o lóbulo frontal fervendo… não distoa; um misto de eclosão jugular voa;
    Sem retidão como o sereno, quando perceberam já fizemos como o cerco de Jericó, os que quiseram nos calar, tiveram os tímpanos assolados e fragilizados… é somos assim,como a estaca:Quanto mais batem…mais me aprofundo.

  4. Ôu! Noite de clássicos! 15 minutos, né? Isso será sempre brabo, deslocar um mulão pros quinze de fama na Lapa – mas acho também que a estrutura tava de boa mesmo, som maneirão e o show tá ótimo no vídeo! Isso é raro – geralmente a Lapa recebe umas porcarias de som… Bom, foi energia pura – valeu Enraizados!
    1 braço – Poeta Xandu

Deixe um comentário