segunda-feira, 15 abril, 2024

Nova Iguaçu submersa: o ciclo infinito das enchentes

Por Dudu de Morro Agudo

Na tarde de ontem a chuva começou cedo, mas a partir das 19 horas não deu mais trégua, gerando apreensão em diversos locais de Nova Iguaçu, onde a população temia que suas casas fossem invadidas pela água. No bairro Jardim Canaã, minha sogra, vítima de uma primeira enchente devastadora em 2014, vive sob constante ameaça. As recorrentes inundações, atribuídas pelos moradores a uma obra mal executada no Rio Botas, traumatizaram-na a ponto de ela não manter mais móveis em casa.

Percebendo que a chuva não pararia, me ofereci para levar meu amigo Samuel Azevedo para casa, deparei-me com uma cidade caótica, entrelaçada por engarrafamentos e bolsões de água. Ruas alagadas, carros avariados e comércios submersos evidenciavam a gravidade da situação. A expressão “Racismo Ambiental” utilizada pela Ministra Anielle Franco ganha relevância ao observar a disparidade entre os pontos mais abastados da cidade, onde tais problemas não ocorrem.

RACISMO ESTRUTURAL: O MAL INVISÍVEL NAS ÁGUAS

Convido todos à reflexão profunda sobre os responsáveis por essa situação, pois não é algo natural, como alguns insistem em alegar. Não posso e não devo direcionar minhas críticas ao governo corrente, pois Nova Iguaçu é uma cidade com 190 anos, e muitos outros governos deixaram o problema para o governo seguinte, como uma herança maldita.

A questão vai além das enchentes; trata-se do fenômeno conhecido como racismo estrutural, que se manifesta na distribuição desigual de recursos e serviços. Em Nova Iguaçu, a população mais vulnerável, majoritariamente composta por negros e afrodescendentes, enfrenta as piores consequências das inundações. As áreas mais pobres da cidade são as mais afetadas, evidenciando uma relação direta entre condições socioeconômicas precárias e o impacto ambiental.

Essas reflexões trazem novas (ou nem tão novas) questões que tentam apontar os motivos que fazem esses problemas se arrastarem por tantos anos:

Falta dinheiro ou será que os recursos públicos são direcionados para a manutenção do poder?

 

A REVOLTA NAS REDES SOCIAIS: TWITTER COMO PALCO DE INDIGNAÇÃO

Revoltando-me diante do descaso por este lugar e suas pessoas, sofro ao testemunhar tamanho descaso e clamor ignorado. Nas últimas horas, as redes sociais, principalmente o X (antigo Twitter), tornaram-se palco da indignação da população de Nova Iguaçu. Mensagens cobrando soluções imediatas das autoridades inundaram a plataforma, refletindo a frustração acumulada ao longo dos anos.

Diante desse cenário, é fundamental que as autoridades municipais e estaduais se posicionem de maneira transparente, explicando as medidas adotadas para enfrentar as enchentes recorrentes. A comunidade merece respostas claras sobre os investimentos em infraestrutura e ações preventivas que visam mitigar esses impactos.

A persistência desse problema em uma cidade com quase dois séculos de existência clama por uma análise mais profunda. É hora de unir esforços, superar barreiras e trabalhar coletivamente para garantir que Nova Iguaçu não seja mais refém das enchentes que assolam as partes mais vulneráveis da cidade. A população já demonstrou sua voz nas redes sociais; agora, é aguardar respostas concretas das autoridades e, juntos, construir um futuro mais seguro e justo para todos os iguaçuanos.

 

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, educador popular, produtor cultural, escritor, mestre e doutorando em Educação (UFF). Dudu de Morro Agudo lançou os discos "Rolo Compressor" (2010) e "O Dever Me Chama" (2018); é autor do livro "Enraizados: Os Híbridos Glocais"; Diretor dos documentários "Mães do Hip Hop" (2010) e "O Custo da Oportunidade" (2017). Atualmente atua como diretor geral do Instituto Enraizados; CEO da Hulle Brasil; coordenador do Curso Popular Enraizados.

Deixe um comentário