quinta-feira, 30 maio, 2024
#ComboIO

Saiba como foi a participação do Enraizados na Rio+20

No dia último dia 18, segunda-feira, fizemos uma apresentação na Rio+20, quando digo fizemos, lê-se DMA, Léo da XIII, Marcão Baixada e DJ Léo, e na contenção Samuca Azevedo e Luiz Carlos Dumontt. Um banca que está buscando cada vez mais o profissionalismo, prova disso são as dezenas de atividades que estamos fazendo no último mês.

Recebemos o convite a poucas semana atrás e tivemos que improvisar um show de última hora. Fizemos um show no formato de um programa de rádio, deu super certo, ensaiamos exaustivamente, mas a galera curtiu.

O Galpão da Cidadania, onde fizemos a apresentação, estava muito legal, muito organizado, mas o público era mínimo, não sei se foi por causa do horário (13:30) ou porque a Rio+20 estava toda segregada.

Como sempre houveram alguns mal entendidos entre eu e a produção do evento, e na hora da apresentação descobri que os técnicos de som não receberam o Rider Técnico que eu enviei, o que deu mais uma trabalheira. Mas mesmo assim tudo deu certo e quando cantamos MANTRA vi umas tiazinhas acompanhando conosco no refrão, foi sensacional, dediquei essa música ao Cachoeira e geral riu.

Veja abaixo algumas fotos e em breve compartilharei alguns vídeos:

GALERIA

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, educador popular, produtor cultural, escritor, mestre e doutorando em Educação (UFF). Dudu de Morro Agudo lançou os discos "Rolo Compressor" (2010) e "O Dever Me Chama" (2018); é autor do livro "Enraizados: Os Híbridos Glocais"; Diretor dos documentários "Mães do Hip Hop" (2010) e "O Custo da Oportunidade" (2017). Atualmente atua como diretor geral do Instituto Enraizados; CEO da Hulle Brasil; coordenador do Curso Popular Enraizados.

Além disso, veja

O papel da educação clandestina na formação Política

Este texto reflete sobre o conceito de "Educação Clandestina", destacando sua abordagem contrária ao ensino formal. Explora as lacunas do sistema educacional brasileiro, particularmente em relação à alfabetização e ao letramento nas escolas periféricas. Descreve como movimentos sociais reúnem conhecimentos diversos, ausentes das instituições formais, promovendo uma troca que desafia o status quo. Aponta a importância da conscientização política e da ação crítica na transformação da realidade. Destaca a educação clandestina como um processo contínuo de formação política, capaz de despertar indivíduos para a realidade e capacitá-los a questionar, refletir e agir em prol da mudança social.

3 comentários

  1. Muito bom, galera. Representando bem, como sempre.
    Uma pena que o MinC tá capengão, né? Várias paradas maneiras, mas com público pequeno. Falta de empenho mesmo.
    Mas tá tranquilo – independente de tudo a galera não deixa a peteca cair.

    abraço pra geral aí.

  2. é muito lindo esse espaço fiquei de boca fechada,só tive o prazer de contemplar.o dudu é um cara nobre,super iluminado.creio profundamente que todas as flores lindas que ele plantou,irá encontra´-las novamente no paraiso.desculpa dudu pelo momento que passei,foi apenas um surto.o grau de espiritualidade celeste que vi aí com voces,é muito forte.e aquela foi minha manifestação a qual ninguem pode entender.fiquei com febre,com frio e com fraqueza também.mas valeu apena conhecer este belo lugar.espero que voce,o luiz carlos dumontt que é também uma bela pessoa estará sempre na minha lembrança.obrigado pelo seu amor,sua generosidade e bondade também. com muitas gratidões a todos que conheci e tive um princípio de amizades.BOTOTO

Deixe um comentário