segunda-feira, 15 abril, 2024
Alessandro Buzo

Buzo inicia na Rede Globo com a mesma pegada de sempre

No mês passado o meu camarada Alessandro Buzo me ligou e disse: – Mano, vou fazer meu quadro no SPTV, da Globo, a partir do mês que vem. Com toda sinceridade, fiquei muito feliz, pois é mais um amigo/irmão que se destaca e nos leva, enquanto periferia, a um degrau mais alto, e temos que aplaudir a perseverança e conquista.

Alguns camaradas estão firmes e fortes na mídia, um outro exemplo de sucesso é o Eddi MC, que é ancora de jornalismo no Canal Futura. O Eddi é da banda Nocaute, de Belford Roxo, um cara que transpira hip hop.

Buzo, Dumontt e DMA

Sou suspeito quando falo de amigos meus, mas neste caso vou além da amizade, falo de consquista, de talento, de insistência, de acreditar no impossível. Quem diria que o Buzo, que a dez anos atrás nem tinha como lançar um livro, hoje tenha quase dez publicados, em diversas editoras, hoje foi contratado pela Rede Globo para fazer justamente aquilo que já fazia, sem tirar nem pôr.

O Eddi, que em 2002, concorreu ao prêmio Grammy Latino e não tinha condições nem de viajar para receber o prêmio, hoje está na condição de âncora do Canal Futura.

Veja o vídeo da estréia do Buzo na Globo:

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, educador popular, produtor cultural, escritor, mestre e doutorando em Educação (UFF). Dudu de Morro Agudo lançou os discos "Rolo Compressor" (2010) e "O Dever Me Chama" (2018); é autor do livro "Enraizados: Os Híbridos Glocais"; Diretor dos documentários "Mães do Hip Hop" (2010) e "O Custo da Oportunidade" (2017). Atualmente atua como diretor geral do Instituto Enraizados; CEO da Hulle Brasil; coordenador do Curso Popular Enraizados.

Além disso, veja

O papel da educação clandestina na formação Política

Este texto reflete sobre o conceito de "Educação Clandestina", destacando sua abordagem contrária ao ensino formal. Explora as lacunas do sistema educacional brasileiro, particularmente em relação à alfabetização e ao letramento nas escolas periféricas. Descreve como movimentos sociais reúnem conhecimentos diversos, ausentes das instituições formais, promovendo uma troca que desafia o status quo. Aponta a importância da conscientização política e da ação crítica na transformação da realidade. Destaca a educação clandestina como um processo contínuo de formação política, capaz de despertar indivíduos para a realidade e capacitá-los a questionar, refletir e agir em prol da mudança social.

01 comentário

Deixe um comentário