Dilma, Eduardo Campos (Marina), Aécio Neves, Lindberg, Garotinho ou Pezão? A política é uma coisa séria demais para ser deixada nas mãos dos políticos

Hoje, ao ler meu livro de cabeceira me deparei com a seguinte frase de Charles de Gaulle: – A política é uma coisa séria demais para ser deixada nas mãos dos políticos.

Foi inevitável lembrar dos encontros que tive com alguns dos principais representantes políticos de nosso país. Como estamos muito próximos das eleições de 2014, resolvi que este seria o tema da minha nova coluna, onde pretendo – sem medo ou algum receio – explanar minha experiência, minha opinião, minhas alegrias e decepções, costurando meu texto com a frase do amigo Charles.

Prontos para a viagem? É longa!!!

Quero começar dizendo que não sou filiado, ligado ou tenho simpatia por nenhum partido político específico, apenas desempenho meu papel de cidadão, pois  a política é uma coisa séria demais para ser deixada nas mãos dos políticos.

20140505-06-lindberg
Alessandro Buzo (SP), Lindberg Farias, DMA e Dumontt

Acho que o primeiro político com maior relevância que tive contato foi com o Lindberg Farias (PT), quando o mesmo era prefeito em Nova Iguaçu, os outros que me procuravam eram sempre vereadores pedindo votos na época de eleição ou pedindo para eu fazer alguma música, é importante frisar que sempre neguei. Achava diferente o fato do Lindberg estar presente nos lugares diversos, trocar ideia, abraçar o povo. Parece um comentário bobo, mas isso ainda não é normal fora de época de eleição ou inauguração de alguma obra.

Ele sempre me recebia para ouvir minhas dezenas de reclamações, “quase” sempre cumpria com aquilo com o que se comprometia e o melhor de tudo, me chamava pelo meu nome, lembrava sempre de todas as vezes que nos encontramos. Tinha muito orgulho em dizer que ele era prefeito da minha cidade e que sempre me recebia para uma conversa. Infelizmente esse sentimento diminuiu quando ele resolveu ser candidato a Senador e entregou a nossa cidade nas mãos da sua vice, Sheila Gama (PDT), que pode ter vocação pra tudo, menos pra política. Literalmente Lindberg nos abandonou.

A Sheila Gama perdeu de lavada para o atual prefeito Nelson Bornier (PMDB), que mesmo após dois anos de governo nunca me recebeu, mesmo após dezenas de tentativas. Certo dia ele veio em Morro Agudo inaugurar uma escola municipal bilingue, juntamente com o ex-governador Sérgio Cabral. Quando me aproximei para me apresentar e tentar uma conversa, ele desconversou, pediu pra eu ligar pro gabinete dele para marcar uma conversa – mas não me deu o número de telefone – e se afastou rapidamente. Ele estava visivelmente assustado.

Já ouvi de pessoas, de dentro de algumas secretarias, que o atual governo se mantém distante de mim e/ou do Movimento Enraizados porque “somos ligados” ao Lindberg, ao PT, ao PSOL, ao PV e sabe-se lá mais quem. Nem preciso dizer novamente que nem eu e muito menos o Movimento Enraizados levanta a bandeira de partido, mas estamos – e sempre tivemos – abertos ao diálogo, contudo eles preferem se manter distantes, mas vou sempre estar próximo, pois como já sabemos, a política é uma coisa séria demais para ser deixada nas mãos dos políticos.

As eleições estão chegando e eu queria poder bater um papo sincero com todos os candidatos ao governo do Estado do Rio de Janeiro, acho que são esses: Bernardinho (PSDB), Anthony Garotinho (PR), Marcelo Crivella (PRB), Lindberg Farias (PT), Luiz Fernando Pezão (PMDB), Miro Teixeira (PROS), Jandira Feghali (PCdoB), Cesar Maia (DEM), Alfredo Sirkis (PSB) e Tarcísio Mota (PSOL).

Quero conhecer e entender quais são as suas propostas para a Baixada Fluminense, posso até dar dicas, reunir uma galera para um debate, pois pra mim, ficou claro na primeira e única conversa que tive com o Sérgio Cabral – quando o mesmo ainda era governador –  que Nova Iguaçu não era prioridade em seu governo e que o diálogo cultural é nulo – ou quase nulo. O Governo do Estado não investe em equipamentos culturais na Baixada Fluminense, prova clara disso são as Bibliotecas Parque. Vão inaugurar uma no Complexo do Alemão, já existem outras em Manguinhos, Rocinha, Centro e Niterói e pretendem construir outras na Mangueira, São Gonçalo e Complexo do Lins. Mas e a Baixada?

Oito equipamentos culturais, um em São Gonçalo e mais um em Niterói e outros 06 na cidade do Rio de Janeiro e NENHUM na Baixada Fluminense.

Atualmente o governo só fala de UPP, patrocina projeto em área “pacificada”, enquanto a Baixada Fluminense triplica os seus problemas relacionados a segurança pública, os bandidos chegando em dezenas de vans, instalando bocas de fumo, matando e roubando, mas as autoridades fingem não enxergar o problema, porque a prioridade é a Copa do Mundo.

Nosso legado veio antes. Levaram nossa paz. O descaso, que parecia enorme, aumentou.

Nova Iguaçu e Duque de Caxias estão entre as cidades mais perigosas de todos o Estado do Rio de Janeiro para um jovem negro viver, mas a juventude dessas cidades não são/foram ouvidas por nenhum dos futuros candidatos. Porque?

20140505-02-gil_juca
Gilberto Gil (Ministro da Cultura) – Juca Ferreira (Ministro da Cultura) e Dumontt

É dificil não citar a experiência que tive em conhecer o Gilberto Gil (PV) quando ele ainda era Ministro da Cultura. Da maneira como ele falava dos Pontos de Cultura, do CopyLeft e de tantas outras coisa que mudaram minha vida e a maneira como eu enxergava e produzia cultura no meu bairro. Literalmente os pontos de cultura mudaram a minha vida.

Quando o Gil deixou o cargo de Ministro, quem assumiu o seu lugar foi o Juca Ferreira, com que quem tive o prazer de almoçar pouco antes dele também deixar o cargo (se eu não me engano). Quando ele falou que a democratização da cultura e os pontos de cultura corriam o risco de não continuarem, eu achava impossível que algo tão sólido pudesse haver uma descontinuidade.

Foi quando entrou a Ana de Hollanda. O Ministério da Cultura engatou uma marcha a ré. Tudo parecia entrar novamente nos trilhos quando a Marta Suplicy (PT) assumiu o Ministério da Cultura, mas nada mudou.

20140505-04-marina
DMA, Marina Silva e Dumontt

Em 2011, dias antes das eleições presidenciais, tive o privilégio de conversar um pouco com Marina Silva (PV na época), pois fui convidado a acompanhar o debate televisivo ao qual ela participaria. Sinceramente não pudemos aprofundar a conversa por causa da pressão que ela sofria por conta do debate, mas o pouco que conversei com ela me fez repensar o meu voto. Ela também me chamava pelo meu nome e me olhava nos olhos.

Hoje em dia, Marina Silva está filiada ao PSB, se uniu ao candidato Eduardo Campos (PSB) e provavelmente será sua vice, o que me deixou profundamente confuso.

Há quem pense que somente Dilma Roussef (PT), Eduardo Campos/Marina Silva (PSB) e Aécio Neves (PSDB) são canditos à presidencia da república, mas Soninha Francine (PPS), Rodolfe Rodrigues (PSOL), Levy Fidelix (PRTB), Everaldo Pereira (PSC), Mauro Iasi (PCB), Eduardo Jorge (PV), José Maria Eymael (PSDC) e Magno Malta (PR) também estão na disputa.

Eu sou admirador incondicional do ex-presidente Lula e por isso achei que votar na candidata Dilma seria uma melhor opção, até mesmo para manter uma política cultural que já vinha dando certo. Na verdade acho que muita gente só votou nela por causa do Lula.
Mas aconteceu o que aconteceu. A política cultural regrediu a passos largos.

20140505-01-dilma
Thiago, Dilma Roussef, DMA, Aurea e Felipe

Encontrando problemas de diálogo com o governo municipal, estadual e federal, abri uma brecha com um governo internacional. No ano passado fui novamente para a França, mostrar o projeto da Escola de Hip Hop e fazer alguns shows. Quando eu estava lá, as manifestações desencadearam no Brasil. Foi lindo!!! Senti muito orgulho do meu povo. Não conseguia entender, sei que motivos tínhamos de sobra, mas porque naquele exato momento? Será que era a última gota? A paciência transbordou? O gigante acordou?

20130628-08-dilmaCerto dia eu estava em casa, havia acabado de chegar da turnê pela França, meu telefone tocou. Era alguém do gabinete da Presidenta Dilma Rousseff me convidando para um encontro com ela. Antes do convite a pessoa me fez alguns elogios, inclusive dizendo que eu estava entre as 15 maiores lideranças de juventude do país.

Não há como não ficar emocionado quando isso acontece, mas juro que não fiquei. Aceitei o convite porque não é todo dia que podemos conversar com a Presidenta da República né? Seria uma experiência no mínimo interessante.

Eu fiquei surpreso porque eu achava que a Presidenta ia se reunir com os representantes do povo, a galera que tava na ponta, uns doidos tipo eu, mas me assustei quando vi uma juventude formada por políticos profissionais, a galera do MST e da UBES ficaram com os melhores lugares, com mais representantes, falando de assuntos que nada tem a ver com a juventude, assuntos não tão urgentes. Enquanto isso, nós da periferia no final da fila, mas com direito a uma fala de apresentação e uma fala em nome do grupo.

Eu lembro que eu disse a presidenta que não adianta de nada a terra, a economia e a mobilidade, se nós estivermos mortos. Foi quando ela olhou nos meus olhos.

Como vocês puderam ler e podem tirar conclusões, durante os últimos anos ouvi muitas promessas, fiquei confuso, mas nunca desisti de exerceu o meu papel de cidadão, de artista e de militante. Percebi que Júlio Camargo também tem razão quando diz que: – Política é a arte de governar com o máximo de promessas e o mínimo de realizações.

Eu espero que esta coluna te faça refletir sobre a importância em manter um diálogo com os políticos, pois nós os colocamos lá. Não interessa o partido, estão todos cada vez mais parecidos, o que importa é nossa participação, o que importa é nós todos juntos pressionando.

Por isso eu estou disposto a reunir a juventude e artistas da Baixada Fluminense para um dialogo franco com os candidatos a deputado estadual e federal, governadores e presidentes. Não sei se será mais difícil reunir os candidatos ou o povo, que está cada vez mais desacreditando da política, mas eu vou me empenhar, com toda a minha força, porque a política é uma coisa séria demais para ser deixada nas mãos dos políticos.

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, escritor e empreendedor social. Um perito em transformar sonhos em realidade.

Além disso, veja

FML: As histórias do hip hop da Baixada Fluminense

Eu me chamo Fagner Medeiros de Lima, e no graffiti eu assino FML, porque na …

Deixe um comentário

Paste your AdWords Remarketing code here