quinta-feira, 18 abril, 2024

Grupo de comunicação comunitária da UERJ visita o Enraizados

Hoje, cerca de vinte pessoas, entre alunos e pesquisadores, que fazem parte do “Grupo de Comunicação Comunitária da UERJ”  e do “Labortatório de Comunicação Dialógica (LCD)”, vieram ao Espaço Enraizados, em Morro Agudo, acompanhados pelo professor Marcelo Ernandez Macedo, para além conhecer o espaço, conhecer também um pouco da filosofia da organização, da dinâmica de trabalho e saber sobre os nossos principais projetos.

A galera chegou por volta das 10:00 da manhã como combinado, e enquanto eu apresentava o Espaço Enraizados pra galera, fomos batendo um papo. Todos foram muito agradáveis, como dizemos aqui na periferia, “só sangue bom”. Depois tomamos um café, enquanto assistíamos aos videoclipes Sacolinha e Final de Semana, pelo semblante deles, acho que todos curtiram.

Depois o professor Marcelo fez uma explanação sobre o curso e fez alguma proposições de parcerias, inclusive de ter um estagiário do curso de Relações Públicas da UERJ aqui no Enraizados. Ao final cantei um rap pra galera. Foi muito legal, espero que voltem mais vezes.

OBS: Se você estuda na UERJ (preferencialmente nas áreas administrativas) e deseja estagiar no Enraizados, envie-nos um email para enraizados@gmail.com

GALERIA

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, educador popular, produtor cultural, escritor, mestre e doutorando em Educação (UFF). Dudu de Morro Agudo lançou os discos "Rolo Compressor" (2010) e "O Dever Me Chama" (2018); é autor do livro "Enraizados: Os Híbridos Glocais"; Diretor dos documentários "Mães do Hip Hop" (2010) e "O Custo da Oportunidade" (2017). Atualmente atua como diretor geral do Instituto Enraizados; CEO da Hulle Brasil; coordenador do Curso Popular Enraizados.

Além disso, veja

O papel da educação clandestina na formação Política

Este texto reflete sobre o conceito de "Educação Clandestina", destacando sua abordagem contrária ao ensino formal. Explora as lacunas do sistema educacional brasileiro, particularmente em relação à alfabetização e ao letramento nas escolas periféricas. Descreve como movimentos sociais reúnem conhecimentos diversos, ausentes das instituições formais, promovendo uma troca que desafia o status quo. Aponta a importância da conscientização política e da ação crítica na transformação da realidade. Destaca a educação clandestina como um processo contínuo de formação política, capaz de despertar indivíduos para a realidade e capacitá-los a questionar, refletir e agir em prol da mudança social.

Deixe um comentário