sexta-feira, 1 março, 2024

John Legend e The Roots revivem o ativismo dos anos 70 em Wake Up…

Talvez este seja um dos álbuns mais ousados da fusão Hip-hop-soul para fechar com chave de ouro esta última década. Caros internautas, eu me refiro a “Wake Up”, álbum que surgiu entre a parceria de “John Legend” e a banda de rap “The Roots” e acaba de ser lançado nos EUA…

“Para mim, é um encontro perfeito. Eu canto soul, e é óbvio que eles tocam funk e hip-hop. Mas também é amplamente conhecido que o soul e o funk dos anos 70 foi a fonte inspiradora de boa parte do hip-hop e do R&B da atualidade”, declara Legend em entrevista ao jornal Estadão, que dá um toque especial com sua voz melódica de ascendência ao gospel às faixas do álbum.

Em Wake Up, o sentimento ativista dos anos 70 é resgatado e reescrito para os dias atuais, sem perder as essências funk e soul, trilhas sonoras originais do Movimento dos Direitos Civis nos EUA. “Acho que o ativismo tem tudo a ver. Muito daquela música bradava por liberdade, justiça, iluminação, igualdade. Como ela tem um sentido, é também uma arte cheia de vibração. Não é algo que seja inspirador somente para artistas negros, muita gente se baseia naquele som. Eu, por exemplo, fui muito influenciado por

Marvin Gaye, acho que ele teve habilidade de falar para todo ser humano, e seu disco What’s Going On é um dos maiores clássicos da música moderna”, responde o cantor a respeito rappers “Questlove” e “Black Thought” integrantes do The Roots e parceiros na produção do álbum, cujo know-how levou a produções memoráveis para personalidades como Al Green.

“Sei que o Presidente é fã dos nossos trabalhos, mas sei também que ele está sem muito ocupado, resolvendo problemas importantes. Espero que possa ouvir o nosso disco com calma… Criamos esse trabalho com o objetivo de inspirar toda uma geração, assim como aconteceu há 40 anos. Fazer com que pensemos nas lendas, no futuro, no o que está acontecendo ao nosso redor, no mundo. É um convite a uma reflexão. Eu sempre vi a música como um instrumento de comunicação, e via que os artistas daquela época realmente conseguiam fazer isso”, diz Legend em entrevista via telefone com o Jornal O Globo, deixando explicito o apoio do projeto ao atual presidente americano “Barack Obama” e preocupados com o compromisso cívico da nova geração.

Além da faixa principal “Wake Up Everybody”, que em seu videoclipe conta com a participação do potilizado rapper “Commom” – em cenas que criam uma passagem temporal entre os grandes momentos dos afro-americanos nos 70 e hoje –, outra excelente sugestão é “Shine”, composta para o documentário “Waiting for the

Superman”, de David Guggenheim ( ganhador do Oscar com An Inconvenient Trush). “Waiting for the Superman fala sobre a falência do sistema educacional nos Estados Unidos. O filme anterior dele foi um apelo acerca das conseqüências do aquecimento global, com apoio do ex-vice-presidente Al Gore. Tem quatro garotos como protagonistas, que vão à escola privada em diferentes lugares da América. Esse universo é contraposto àqueles que não têm acesso à escola de qualidade. Seu mundo está limitado pela tragédia das circunstâncias, a crise econômica, a falta de perspectivas”,finaliza John Legend ao Estadão demonstrando seu engajamento a valores político-sociais de seu país.

Torçamos para que em breve sejamos contemplados com a visita de Wake Up em um show imperdível!

DJ TR.

Sobre DJ TR

Além disso, veja

Campo Grande vai ficar pequeno com a presença do Raiz Coral…

Eles são oriundos da mesma região do rapper Mano Brown, o Capão Redondo, localizado ao …