quinta-feira, 18 abril, 2024
DiRaiz
DiRaiz

MC e produtor D’Raiz lança videoclipe “#Intro”

A A.M.P Produções tem o prazer de lançar o clip da primeira mixtape do MC/produtor D’Raiz, intitulada “#Intro”. O clip é uma descrição das faixas do projeto, que é uma compilação de pensamentos e reflexões a respeito da vida, cultura e postura atual do protestantismo no Brasil.

De acordo com D’Raiz, o objetivo do seu novo trabalho é alcançar cristãos e, principalmente, os não cristãos. “Algumas músicas tem conteúdo
extremamente contundente, entre elas *Sacrifício aos deuses*, uma faixa que fala da exposição da sensualidade nos meios de comunicação como uma ação diabólica e sistemática para manter as novas gerações em um jogo de ignorância que beneficia a elite mundial e difunde ensinamentos da Nova Era, conforme já estava previsto nas escrituras”, disse ele.

A mixtape 11 faixas mixadas e masterizadas pelo DJ Scooby no estúdio Caverna de Adulão (download: www.manuscritos.com.br) , o conceito do disco de D’Raiz se resume na frase: “Deus é amor e justiça… não é religião”.

Bandeira levantada com o intuito de incentivar as pessoas a fazer uma profunda reflexão sobre suas posições diante da vida, sociedade e diante do
Deus criador. O clip foi produzido pelo grupo Manuscritos, gravado e editado por Jonatas (Irmãos de Sangue).

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, educador popular, produtor cultural, escritor, mestre e doutorando em Educação (UFF). Dudu de Morro Agudo lançou os discos "Rolo Compressor" (2010) e "O Dever Me Chama" (2018); é autor do livro "Enraizados: Os Híbridos Glocais"; Diretor dos documentários "Mães do Hip Hop" (2010) e "O Custo da Oportunidade" (2017). Atualmente atua como diretor geral do Instituto Enraizados; CEO da Hulle Brasil; coordenador do Curso Popular Enraizados.

Além disso, veja

O papel da educação clandestina na formação Política

Este texto reflete sobre o conceito de "Educação Clandestina", destacando sua abordagem contrária ao ensino formal. Explora as lacunas do sistema educacional brasileiro, particularmente em relação à alfabetização e ao letramento nas escolas periféricas. Descreve como movimentos sociais reúnem conhecimentos diversos, ausentes das instituições formais, promovendo uma troca que desafia o status quo. Aponta a importância da conscientização política e da ação crítica na transformação da realidade. Destaca a educação clandestina como um processo contínuo de formação política, capaz de despertar indivíduos para a realidade e capacitá-los a questionar, refletir e agir em prol da mudança social.

Deixe um comentário