quinta-feira, 18 abril, 2024

Rapper caribenho Johnny Bonaire confirma presença no “Dia da Rima”

As notícias sobre o “Dia da Rima” – encontro nacional de MCs e Beatmakers – transbordaram o Brasil e nossa marolinha a fez chegar no Caribe, aos ouvidos do rapper Johnny Bonaire, também conhecido como GigoLoko, que se empolgou com a possibilidade de interagir com rappers e produtores brasileiros.

Johnny é camarada do rapper e repórter, ou rapporter como se intitula, Petter MC, que já troca ideia com o mano caribenho a alguns meses. Foram apresentados por uma amiga em comum e agora estão bolando um som juntos. Petter MC disse que Johnny chega ao Brasil no dia 27 e vai direto do aeroporto para o Espaço Enraizados, onde acontece o encontro.

O rapporter ainda deixou escapar que no próximo ano pretende passar uns dias no Caribe e será recepcionado por Bonnaire, que pretende passar o Reveillon em terras brasileiras.

Só posso dizer uma coisa: – O Dia da Rima agora é internacional!

[soundcloud params=”auto_play=true&show_comments=true&color=0ac4ff”]https://soundcloud.com/gigoloko/05-maffionairs-bikkel[/soundcloud]

SAIBA MAIS
Dia da Rima: http://www.enraizados.com.br/index.php/dia-da-rima-quinto-encontro-nacional-de-mcs-e-beatmakers
Johnny Bonnaire: http://www.gigoloko.com

 

 

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, educador popular, produtor cultural, escritor, mestre e doutorando em Educação (UFF). Dudu de Morro Agudo lançou os discos "Rolo Compressor" (2010) e "O Dever Me Chama" (2018); é autor do livro "Enraizados: Os Híbridos Glocais"; Diretor dos documentários "Mães do Hip Hop" (2010) e "O Custo da Oportunidade" (2017). Atualmente atua como diretor geral do Instituto Enraizados; CEO da Hulle Brasil; coordenador do Curso Popular Enraizados.

Além disso, veja

O papel da educação clandestina na formação Política

Este texto reflete sobre o conceito de "Educação Clandestina", destacando sua abordagem contrária ao ensino formal. Explora as lacunas do sistema educacional brasileiro, particularmente em relação à alfabetização e ao letramento nas escolas periféricas. Descreve como movimentos sociais reúnem conhecimentos diversos, ausentes das instituições formais, promovendo uma troca que desafia o status quo. Aponta a importância da conscientização política e da ação crítica na transformação da realidade. Destaca a educação clandestina como um processo contínuo de formação política, capaz de despertar indivíduos para a realidade e capacitá-los a questionar, refletir e agir em prol da mudança social.

Deixe um comentário