quarta-feira, 24 julho, 2024

Quem quer dá um jeito, quem não quer arruma uma desculpa

Olá amigos e amigas, estou de volta para mais uma coluna aqui no Portal Enraizados, desta vez vou tratar de um assunto muito comum, mas de nome difícil: procrastinação.

Procrastinação é o diferimento ou adiamento de uma ação. Para a pessoa que está a procrastinar, isso resulta em stress, sensação de culpa, perda de produtividade e vergonha em relação aos outros, por não cumprir com a suas responsabilidades e compromissos. A procrastinação crônica pode ser um sinal de problemas psicológicos ou fisiológicos. (fonte wikipedia)

Apesar de já conhecer o ato, pois ora ou outra me pego a procrastinar, o termo conheci através do meu camarada Luiz Carlos Dumontt, que conheceu em uma palestra que assistiu na internet. A partir deste momento fiquei mais atento, tentando não cometer mais o tal ato.

No início da semana passada eu e o Átomo – rapper do grupo USAL – começamos a produzir nosso novo disco, chamado DMÁtomo. Nossa ideia era começar na segunda-feira (07) e terminar na sexta-feira (11), mas só conseguimos terminar hoje (14), por causa de uma infinidade de problemas que impossibilitaram nossos encontros.

Átomo gravando
Átomo gravando

Diferente do ano passado, que produzimos todo o disco de segunda à sexta-feira, neste novo disco, apesar de levarmos oito dias, nos encontramos apenas 04 vezes.

Eu tinha todas as desculpas que eu precisava para não terminar o projeto, ou adiar por mais alguns dias. Meu macbook que a quatro anos nunca havia dado sequer um problema, pifou. A internet ficou mais lenta do que o normal. O outro PC ficou travando como nunca antes. Tive problemas familiares, problemas no trampo, problemas na faculdade, problemas não faltaram, mas identifiquei todos e segui em frente com o nosso projeto.

Hoje eu e o Átomo, entre uma e outra gravação, conversávamos a respeito disso e ríamos das pessoas que não fazem suas correrias e colocam a culpa em tudo e todos que podem, como na esposa, nos filhos, no patrão, nos amigos, etc… quanto faltam argumentos ele apela e põe a culpa no diabo, alegando que o inimigo tá furioso.

Vale a pena dar uma conferida na música que o Átomo fez sobre esse tema: Advogado do diabo.

Hoje, já são quase 23 horas e minha coluna quase não sai. Porque?
Porque um monte de coisas deram errado novamente, meus equipamentos não colaboraram, mas aqui estou eu, aqui estamos nós. O vídeo da série “A Nota Certa”, que faço semanalmente, farei assim que conseguir comprar um novo cartão de memória para a câmera, mas independente do vídeo, a coluna saiu.

Estivemos limitados, porém nada até agora nos parou, e logo logo vocês poderão conferir nosso segundo álbum, “5incronia” e meu novo video.

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, educador popular, produtor cultural, escritor, mestre e doutorando em Educação (UFF). Dudu de Morro Agudo lançou os discos "Rolo Compressor" (2010) e "O Dever Me Chama" (2018); é autor do livro "Enraizados: Os Híbridos Glocais"; Diretor dos documentários "Mães do Hip Hop" (2010) e "O Custo da Oportunidade" (2017). Atualmente atua como diretor geral do Instituto Enraizados; CEO da Hulle Brasil; coordenador do Curso Popular Enraizados.

Além disso, veja

O papel da educação clandestina na formação Política

Este texto reflete sobre o conceito de "Educação Clandestina", destacando sua abordagem contrária ao ensino formal. Explora as lacunas do sistema educacional brasileiro, particularmente em relação à alfabetização e ao letramento nas escolas periféricas. Descreve como movimentos sociais reúnem conhecimentos diversos, ausentes das instituições formais, promovendo uma troca que desafia o status quo. Aponta a importância da conscientização política e da ação crítica na transformação da realidade. Destaca a educação clandestina como um processo contínuo de formação política, capaz de despertar indivíduos para a realidade e capacitá-los a questionar, refletir e agir em prol da mudança social.

Deixe um comentário