quinta-feira, 18 julho, 2024
Re.Fem

A África reverencia a Rainha Re.Fem

No dia 29 de março, sexta-feira Santa, aconteceu em Duque de Caxias, o casamento de Janaina Oliveira, mais conhecida no cenário militante do Rio de Janeiro como Re.Fem, e seu noivo Marcos.

A festa foi em um sítio em Parada Angélica, bairro onde a noiva foi criada. Quem esteve presente se sentiu em plena África e certamente guardará para sempre em sua memória cada segundo da cerimônia, que lembrou um rito africano, com direito a um coral que fazia com que todos e todas ficassem inquietos em seus assentos.

A cada momento uma nova surpresa vinha à tona, como por exemplo quando o noivo ia de mesa em mesa trocando um pedaço de sua gravata por uma quantia em dinheiro, algo que já é tradicional nos casamentos convencionais, não fosse o fato dele fazer um improviso a cada contribuição. Outro momento muito especial foi quando a noiva jogou o buquê, na verdade foram vários – cerca de sete – bonequinhos pretos.

Nem preciso dizer que o rap foi o ritmo que predominou na festa né? A verdade é que Marcos e Re.Fem proporcionaram um dia único também em nossas vidas!

[yframe url=’www.youtube.com/watch?v=KH-XTAaoOEk’]

Bonde do Enraizados e os noivos
Bonde do Enraizados e os noivos
Maria, Fernanda, Sônia Sodré, Cristiane, Lisa Castro e Lais Castro.
Maria, Fernanda, Sônia Sodré, Cristiane, Lisa Castro e Lais Castro.
Samuca Azevedo, Dumontt, DMA e Átomo
Samuca Azevedo, Dumontt, DMA e Átomo
Marcos e Re.Fem
Marcos e Re.Fem

 

 

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, educador popular, produtor cultural, escritor, mestre e doutorando em Educação (UFF). Dudu de Morro Agudo lançou os discos "Rolo Compressor" (2010) e "O Dever Me Chama" (2018); é autor do livro "Enraizados: Os Híbridos Glocais"; Diretor dos documentários "Mães do Hip Hop" (2010) e "O Custo da Oportunidade" (2017). Atualmente atua como diretor geral do Instituto Enraizados; CEO da Hulle Brasil; coordenador do Curso Popular Enraizados.

Além disso, veja

O papel da educação clandestina na formação Política

Este texto reflete sobre o conceito de "Educação Clandestina", destacando sua abordagem contrária ao ensino formal. Explora as lacunas do sistema educacional brasileiro, particularmente em relação à alfabetização e ao letramento nas escolas periféricas. Descreve como movimentos sociais reúnem conhecimentos diversos, ausentes das instituições formais, promovendo uma troca que desafia o status quo. Aponta a importância da conscientização política e da ação crítica na transformação da realidade. Destaca a educação clandestina como um processo contínuo de formação política, capaz de despertar indivíduos para a realidade e capacitá-los a questionar, refletir e agir em prol da mudança social.

5 comentários

  1. Lindoooooo…
    Linda matéria, fiquei emocionada novamente… Parece que foi um sonho, só acredito que aconteceu, por que tem fotos e vídeos para comprovar…
    E fou muito bom viver esse sonhos com a família Enraizados aos meu lado como sempre.

    AMO MUITO VCS!!! TAMUS JUNT@S!

  2. Gente, foi o casamento mais lindo que eu assisti em toda minha vida.

  3. Meu Deus fiquei arrepiada com as fotos e os comentarios, estive apenas uma vez com a RE.FEM mas foi o suficiente para admira-la e ama-la e por isso desejo a ela hoje e sempre o melhor desta vida!! Mais orgulho ainda em ver o quanto ela valoriza e honra nossa cultura parabens minha linda!!

Deixe um comentário