sexta-feira, 21 junho, 2024

Enraizados faz filme para divulgar resultado de sorteio

O rapper DMA (Dudu de Morro Agudo) a duas semana iniciou uma promoção para divulgar os livro e filme referentes ao Sarau Suburbano. A participação se dava por meio do facebook, através de curtição de página e compartilhamentos.

Foram quase 200 compartilhamentos e a promoção, segundo estatística do facebook, chegou a quase 11 mil pessoas.

Porém o mais criativo de tudo foi a divulgação do resultado, pois o rapper fez um filme, ao lado de Luiz Carlos Dumontt e Samuca Azevedo, mostrando todo o processo do sorteio, que rendeu até um comentário do professor Adair Rocha, da PUC, e chegou a quase 100 visualizações no youtube.

O filme é bastante engraçado, vale a pena assistir.

[yframe url=’http://www.youtube.com/watch?v=P4y0KoG-ws0′]

Sobre Instituto Enraizados

O Instituto Enraizados é uma organização de hip hop, nossa "rede" integra hoje 17 organizações que compartilham conhecimento, capacitação e articulação para militância cultural nas periferias dos grandes centros. Lutamos pelo acesso a produção, a expressão e a valorização das diferentes manifestações culturais, fortalecendo o ativismo cultural e o protagonismo juvenil. O hip hop, o audiovisual, as rádios comunitárias e a produção de mídias são elementos que formam e fortalecem a ajuda mútua dos jovens envolvidos.

Além disso, veja

De Jay-Z a Palmares: As histórias por trás do “Galo de Luta”

Paulo Roberto da Silva Lima, conhecido como "Galo de Luta", compartilha sua jornada desde a infância até se tornar um ativista e artista de rap. Inicialmente apelidado de "Sete Galo" devido à famosa moto CBX 750, sua vida foi marcada por desafios e confrontos com a realidade da periferia. Inspirado por figuras como Mano Brown e Malcolm X, Paulo encontrou no rap e na leitura uma maneira de expressar suas ideias e buscar uma transformação pessoal e social. Apesar das dificuldades, sua busca por identidade e consciência o levou a se tornar o "Galo de Luta", um símbolo de resistência e luta por justiça social.

Deixe um comentário