terça-feira, 23 abril, 2024

Grupo U-SAL lança disco e libera para download gratuito

20131209-usalConsiderado um dos maiores letristas de rap da atualidade, Átomo, cujo pseudônimo já foi SDL e Orfeu, se destaca na cena rap por suas participações nas músicas de outros grupos. Lisa Castro, que já se chamou Nega Lisa, é uma das grandes representantes das mulheres negras e faz questão de mostrar isso em suas rimas. Átomo e Lisa são casados a treze anos, e junto com sua filha de 03 anos, Laica, formam o grupo de rap U-SAL, que já se chamou Ultimato a Salvação.

Se despindo de cascas e rótulos, U-SAL gravou o primeiro disco do grupo, intitulado “Quando Os Ramos Se Renovam E As Folhas Brotam” com participações de Comuna, Manuscritos, Léo da XIII, Marcão Baixada, Artigo D, DMA, Fator Baixada, Poetas da BF, Marcio RC e Impune, seu “Alter Ego”.
As produções ficam por conta do próprio Átomo, mas também contaram com um time de grandes produtores como D’Raiz, Alheyo, DJ Scooby e DJ Machintal.

Destaco as faixas: (03) Manual prático de sobrevivência, que tem participação do Impune; e (08) o Sorriso de Raquel, no qual a Laica canta sozinha.

BAIXE GRÁTIS!
http://www.mediafire.com/download/dgsqlepn21qjwdb/U-Sal+-+Quando+Os+Ramos+Se+Renovam+E+As+Folhas+Brotam+%5B2013%5D.rar

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, educador popular, produtor cultural, escritor, mestre e doutorando em Educação (UFF). Dudu de Morro Agudo lançou os discos "Rolo Compressor" (2010) e "O Dever Me Chama" (2018); é autor do livro "Enraizados: Os Híbridos Glocais"; Diretor dos documentários "Mães do Hip Hop" (2010) e "O Custo da Oportunidade" (2017). Atualmente atua como diretor geral do Instituto Enraizados; CEO da Hulle Brasil; coordenador do Curso Popular Enraizados.

Além disso, veja

O papel da educação clandestina na formação Política

Este texto reflete sobre o conceito de "Educação Clandestina", destacando sua abordagem contrária ao ensino formal. Explora as lacunas do sistema educacional brasileiro, particularmente em relação à alfabetização e ao letramento nas escolas periféricas. Descreve como movimentos sociais reúnem conhecimentos diversos, ausentes das instituições formais, promovendo uma troca que desafia o status quo. Aponta a importância da conscientização política e da ação crítica na transformação da realidade. Destaca a educação clandestina como um processo contínuo de formação política, capaz de despertar indivíduos para a realidade e capacitá-los a questionar, refletir e agir em prol da mudança social.

01 comentário

Deixe um comentário