quinta-feira, 30 maio, 2024

Explorando a formação política no RapLab: O caminho de Debrah

Débora de Souza Costa Seabra é natural da cidade de Nilópolis, na Baixada Fluminense. Tinha 19 anos quando ingressou no RapLab em 2020, enquanto cursava o Ensino Médio no IFRJ, em Nilópolis. Atualmente, identifica-se como Debrah.

Tivemos uma conversa no dia 28 de março de 2024, que durou cerca de 40 minutos. Discutindo sua participação no RapLab durante o período da pandemia.
Revisitamos o período visando ajudar-me a responder algumas questões para minha tese de doutorado, principalmente relacionadas ao conceito de formação política e ao papel do RapLab nesse processo.
Contudo, assim como aconteceu na conversa que tive com Jatobá, novos caminhos foram abertos para diversas reflexões.

A seguir, apresento uma transcrição de nossa conversa, destacando os pontos abordados por Debrah. Para iniciar a conversa, perguntei como ela tomou conhecimento dos encontros do RapLab durante a pandemia. E a partir daí a conversa se desenrolou.

Como você tomou conhecimento do RapLab pela primeira vez durante a pandemia?
Certa vez aconteceu um caso de racismo no IFRJ de Nilópolis, onde um estudante foi acusado de roubar o celular de outro estudante, na realidade ele não tinha feito isso, mas isso desencadeou uma revolta nas pessoas, e por isso aconteceram algumas atividade lá, e uma dessas atividades foi um SLAM de poesias.
Certa vez, ocorreu um caso de racismo no IFRJ de Nilópolis, onde um estudante foi acusado de roubar o celular de outro estudante. Na realidade, ele não havia feito isso, porém, essa acusação desencadeou uma revolta entre as pessoas. Por isso ocorreram várias atividades na instituição, e uma delas foi um SLAM de poesias.
Era muito interessante, porque não havia ninguém ali no IFRJ que fazia poesia. Era algo introspectivo. Eu, por exemplo, nunca havia recitado, mas havia dois rapazes lá que recitavam poesia, e mais ninguém participava. Eles continuavam a recitar, e um complementava o outro em suas poesias. Mais tarde, descobri que eles faziam parte do “Enraizados no Vagão”, um grupo que produzia poesias nos vagões dos trens, e ambos eram membros do Instituto Enraizados.
Um daqueles caras, o Gabriel (GB Montsho), me perturbou muito para eu recitar poesia naquele espaço, eu não o conhecia, mas os meus amigos ficaram insistindo para que eu participasse. A gente recitava poesia em sala de aula, mas apenas ocasionalmente, e então escolhi uma poesia e recitei em público pela primeira vez na vida.
Marquei aquela pessoa que me incentivou no Instagram, comecei a segui-la, e ela me seguiu de volta. Assim, acabamos nos tornando amigos, de certa forma.
Algum tempo depois ele postou que teria um encontro do RapLab. Enviou um texto que explicava um pouco sobre a atividade, que era pra fazer rap e eu achei o nome legal, RapLab. Me inscrevi porque parecia uma oportunidade legal. Preenchi o formulário e depois recebi o link, gostei e fiquei indo.

Você participava do movimento estudantil?
Eu comecei nessa época. Na verdade, esse caso [de racismo] aconteceu mais ou menos no final de 2018. Em 2019, o Bolsonaro entra no governo e aí ele começa a cortar verba da educação, e a minha escola, assim como a escola do Jatobá (Pedro II), ficam ameaçadas.

Você conhecia o Jatobá nessa época?
Não. Comecei a me aproximar mais do GB (Montsho), inclusive, nessa época começamos a construir o movimento estudantil. Era algo pequeno, eu apenas participava dos protestos. Eu ia porque comecei a gostar disso. Foi ali que fui me aproximando mais do GB.

O que te fez participar mais vezes pro RapLab?
Pra ser sincera, o que me fez voltar de novo foi um sentimento de não querer perder aquele encontro. Eu gostei muito da troca de ideia, porque eu criei uma afeição pelas pessoas que participavam. Eu sentia que não podia negar o convite daquelas pessoas.
Toda vez que as pessoas me convidavam, eu comparecia. Se não recebesse esse convite, se não tivesse alguém me mandando mensagem, às vezes até no privado do celular, me marcando na rede social e fazendo questão, eu não voltaria.
Mas como era algo fácil, bastava clicar no link, e eu estaria ali encontrando pessoas com quem gostava de conversar, eu sempre comparecia, porque não queria abrir mão da minha conexão com elas.
Durante a pandemia, o pessoal tentou realizar muitas atividades. Eu era, inclusive, membro do Grêmio Estudantil da minha escola, então o Grêmio começou a promover ações de forma virtual. Nas reuniões do Grêmio, as pessoas falavam, mas às vezes eu não conseguia entender completamente o que diziam, sabe? Eu prefiro muito mais conversar olhando nos olhos das pessoas. Por isso, eu não conseguia priorizar essas outras reuniões, mesmo que houvesse pessoas me chamando para participar, da mesma forma que acontecia com o RapLab. Acho que nenhuma daquelas coisas me atraia.
Alguns dos meus amigos moravam perto e iam lá pra casa. Eu preferia ficar com eles do que participar das reuniões. O RapLab aconteceu num horário que eu ficava muito sozinha. Era de tarde, então como eu estava sozinha, eu tinha uma probabilidade maior de participar.
E era uma troca de ideia que, por mais que eu entrasse na metade do encontro, eu ia conseguir entender o que estava sendo conversado e me envolver ali. E ia ter permissão de falar e de me colocar. Sem esperar muito pra isso, sabe? A gente trocava ideias sobre várias coisas legais. E trocava umas ideias muito boas. Eu tinha muito espaço pra poder falar e colocar minhas opiniões.
Mesmo que, às vezes, as pessoas discordassem. Era um espaço seguro, de certa forma. Isso me manteve ali, a fim de continuar. Foi a única coisa que eu consegui fazer na pandemia.

Você já tinha gravado rap antes do RapLab?
Não, era uma realidade muito distante para mim. A partir do RapLab, minhas poesias ganharam mais consistência; foi quando mais compus. É algo curioso, pois trabalhei muito durante a pandemia, e o RapLab era um dos meus raros dias de folga. Então, participava do RapLab e compunha durante o trabalho. Durante meu expediente, pegava o caderno e escrevia poesia.
Através do RapLab, conheci pessoas que me ajudaram a me tornar efetivamente um rapper. Atualmente, também faço rap. Lancei uma música no início de 2022 com uma pessoa que era um dos coordenadores do RapLab. Fizemos uma colaboração, e agora estou trabalhando com outra pessoa que conheci através do Enraizados, embora não participasse do RapLab, mas é um produtor musical, e estamos colaborando juntos.
E estou para lançar também um EP de rap.

Houve algum encontro específico no RapLab que você considerou particularmente significativo ou marcante? Se sim, qual foi e por que você o considerou assim?
Tem um encontro em que discutimos a questão da terceirização e da ‘uberização’ do trabalho. Abordamos especificamente a situação dos entregadores de aplicativos, destacando o papel do Galo de Luta e como a economia avançava durante a pandemia. Falamos também sobre a estratégia global de precarização da vida dos trabalhadores e as dificuldades enfrentadas por esses entregadores. O fato de o Galo de Luta ter sido preso foi mencionado, e esses temas em discussão me marcaram profundamente.
Foi, inclusive, um encontro que eu lembro que estava no quarto, mas o encontro foi durando, durando, durando e eu vi que estava no finzinho da tarde, ia anoitecer e o encontro ia continuar. Como eu não queria perder o fim de tarde, pois estava um dia bonito, eu saí e continuei conversando com o pessoal sobre esses temas, com fone de ouvido.

Foi, inclusive, um encontro que lembro que começou de tarde, mas continuou se estendendo, e percebi que já estava chegando ao fim da tarde e prestes a anoitecer, e ainda assim a discussão seguia. Como não queria perder o entardecer, pois estava um dia bonito, saí e continuei conversando com o pessoal sobre esses temas, utilizando fones de ouvido.

Um terço dos encontros teve como tema algo relacionado à luta de classes. Por que você acha que discutíamos tanto esse assunto?
Eu acho que discutimos tanto isso porque esses encontros ocorreram durante a pandemia, um momento árduo de crise do capitalismo. O capitalismo está em crise; começou em 2008 e continua até hoje, se agravando cada vez mais.
E ele precisa dessas crises porque é durante as crises do capitalismo que conseguem justificar as guerras. Conseguem ampliar os lucros por meio da crise, como está acontecendo hoje. Refiro-me a “guerras” entre aspas, pois o que está ocorrendo entre Israel e Palestina não é uma guerra, é um massacre.
Mas conseguem justificar essas coisas durante o período de crise. E nesse mesmo período, a luta de classes fica mais aguda, onde as pessoas percebem mais claramente as disparidades, pois se tornam mais evidentes. Era óbvio quem era a população que estava morrendo de covid-19 naquele período. E diversas outras coisas.
Quem estava passando fome? Quem estava realmente priorizando essas questões de ajuda mútua? No Enraizados, havia um grupo que organizava cestas básicas para doar, a fim de ajudar as pessoas próximas. Percebemos que, mesmo o governo tendo muitos recursos, não estava investindo em vacinas.
Estava claro para nós que o governo atuava em benefício dos ricos e dos interesses pessoais dos próprios governantes. Por exemplo, o Bolsonaro comprava vacinas e recebia propina em troca. Ele comprava vacinas que não eram comprovadamente eficazes, mas menos eficazes, visando lucrar com isso. Todo esse esquema visava gerar ainda mais dinheiro para aqueles que já eram privilegiados financeiramente.
As pessoas que conduzem o RapLab, que fizeram parte do RapLab, são pessoas que conseguiram perceber essas coisas, porque é muito óbvio para a gente. Porque a gente está de um lado. A gente pertence a uma classe. A gente é da classe trabalhadora. Não tinha ninguém ligado a outra classe. Então a gente conseguiu ter isso mais claro. Eu acho que foi por causa disso, não tinha como falar de outra coisa.
Se a gente entrasse no tópico do racismo, a gente entrava no tópico da luta de classes também. Se a gente entrasse no tópico pra falar de sorvete, a gente entrava no tópico da luta de classes. Porque quem é que está comendo sorvete? A gente não está comendo sorvete. Acredito que a gente falou muito por conta disso.

Qual é a sua definição de formação política?
Acho que formação política é você ter a capacidade de compreender os movimentos da sociedade, como a sociedade funciona, por que as coisas acontecem da forma que acontecem. Acho que a formação política é um meio de se conseguir compreender o mundo, o mundo da forma que ele é, porque tudo no mundo é político.
Inclusive, a educação é política, nada é neutro nesse mundo, então tudo é político. Creio que a formação política é você conseguir compreender o que está por trás, por exemplo, da reforma do novo ensino médio, dessas questões. Acho que isso é formação política.

Todo mundo tem essa compreensão?
Não, não acho. Eu acho que, inclusive, existe todo um movimento, de uma cultura de massas, que é o que aparece na televisão, nessas mídias de massa, no TikTok, que faz com que as pessoas fiquem constantemente sob uma névoa que camufla a realidade, deixa a realidade um pouco mais dura para a nossa compreensão.
Algumas pessoas acham que o mundo é assim porque ele é assim e pronto. Ou porque na pandemia quem estava morrendo era porque em outras vidas tinham cometido erros e estavam pagando nessa vida. Que a pandemia era um momento de resgate dessas pessoas. Que as pessoas estavam morrendo na pandemia porque elas tinham sido predestinadas. Essa coisa do destino.
Que tudo que aconteceu com a gente já estava escrito antes da gente nascer. Isso é o que as igrejas e o que frequentemente a gente vê na televisão também.
Acredito que isso atrapalha um pouco as pessoas a adquirirem formação política, porque elas acreditam que o candidato ganhou a eleição presidencial por estar predestinado. Elas acham que não havia nada que pudéssemos fazer para mudar isso. Eu entendo que a formação política é justamente compreender a situação.
Além de compreender, eu mencionei apenas a questão de entender o mundo. Mas também é perceber que sua ação, em conjunto com a ação de outras pessoas, por meio da ação coletiva, pode transformar o mundo. Eu acredito que isso é formação política.
Só que eu acho que muitas pessoas, muitos intelectuais não têm. Ou têm uma perspectiva diferente, de se achar muito inteligente por achar que nada pode se transformar.
Boa parte das pessoas não têm formação política por não conseguir ter essa compreensão dos movimentos políticos que acontecem no mundo.
Mudou agora o Ensino Médio, agora os estudantes pobres não vão ter aula mais de História. Mas é isso. É isso que está dado. As pessoas não conseguem compreender o que está por trás disso e o que faz com que isso aconteça.
Eu acho que o RapLab estimula isso. Porque se o tema do RapLab for, por exemplo, o novo Ensino Médio, a gente vai trocar de ideia sobre isso. Vai chegar uma hora que a gente vai ficar sem ideia para trocar sobre o que é, então a gente vai entrar na ideia do porquê que é.
Então vamos começar a cavar as coisas para podermos ter mais ideias para trocar, para não fugir do assunto. Porque o assunto do RapLab é esse. Acho que isso faz com que a gente consiga ter esse espaço de desenvolvimento, de formação política.
Porque o RapLab traz muito a perspectiva da coletividade. Não apenas realizávamos os encontros, mas também compúnhamos as músicas de forma coletiva. Eu já partia da ideia de que não se trata apenas da genialidade individual, em que apenas uma pessoa consegue compor.
Nós compúnhamos de forma coletiva, nos encontrávamos e fazíamos. Além disso, nos reuníamos para construir o estúdio do Enraizados, participar de mutirões e distribuir cestas básicas. Então, contávamos com a coletividade não apenas para criar música, mas também para ajudar a transformar a vida das pessoas. Fazíamos isso porque entendíamos que tínhamos essa capacidade. No entanto, várias pessoas ao meu redor, incluindo minha família e amigos, não praticavam esse tipo de ação.

Como você acredita que ocorre o despertar das pessoas para a realidade além da anestesia?
Então, comigo aconteceu da seguinte forma, eu fui me desligando de algumas coisas. Eu me desliguei do pastor, porque a igreja faz com que você ache que está tudo predestinado, que você não tem controle sobre nada, que o controle é de Deus e que você não pode fazer nada para transformar as coisas.
Eu saí disso no momento que eu percebi que eu era uma pessoa LGBT. E, segundo eles, eu ia necessariamente para o inferno. Eu falei, cara, eu sou uma pessoa boa, eu não vou para o inferno, isso aí é mentira. E eu saí disso.
A gente viveu uma efervescência política muito grande no nosso país, mas eu sempre acreditei que eu podia ajudar a transformar o mundo de alguma forma. Certa vez eu soube que poderia ficar sem concluir o meu ensino médio por causa de um corte que um político tinha feito na educação. E falaram pra mim que, se eu fosse pra rua protestar, e fosse um protesto muito grande, eu conseguiria reverter aquilo. Eu pensei assim: – “Pô, vou fazer isso”. E fui pra rua e ele voltou atrás.

Quem te chamou pro protesto?
O pessoal do Grêmio. Jovens da minha idade que tiveram contato com o marxismo. Jovens marxistas, comunistas, me falaram isso. Falaram que era possível a gente pressionar coletivamente o governo para poder transformar uma coisa na sociedade.
E a gente fez e o cara voltou atrás do corte e a minha escola não fechou. Aí eu falei: “Pô, então isso daí dá certo. Se eu me juntar com um monte de gente, eu posso perturbar a vida desse cara, e eu vou”.
Eu comecei a ir para todos os cantos que eu podia, toda vez que tinha um monte de gente junta para poder encher o saco daquele fascista, eu estava lá. Comecei a perceber que em vários momentos ele voltava atrás. Então pensei: – “Cara, eu não sou tão pequena assim se eu estiver em conjunto com outras pessoas”.
Comecei a perceber como as ações coletivas eram feitas. Eu tive esse despertar a partir disso. Comecei a procurar outras experiências de transformação da sociedade. Fui estudar sobre Cuba. Comecei a perceber que é possível transformar.
Hoje eu sou comunista, mas para ter formação política você não precisa ser comunista, basta você conseguir ter uma compreensão mais material do mundo.
Se um presidente, cercado por pessoas que defendem os direitos dos ricos, quer lutar pelos direitos dos pobres, os pobres precisam se unir e mostrar que a maioria da sociedade, composta principalmente por pessoas pobres, tem interesse nisso. Assim, os ricos serão pressionados, visto que constituem uma minoria na sociedade.
Eu acho que o RapLab foi muito importante para mim nesse sentido também, porque foi um dos primeiros espaços de debate político que eu tive na minha vida, onde eu pude colocar minha opinião e entender que a minha opinião política, de certa forma, em alguns momentos, estava certa. E eu não tinha estudado em lugar nenhum, não tinha estudado Marx, não tinha estudado nada, mas eu sou uma pessoa pobre. Eu tinha algum nível de formação política que foi sendo aprofundado através de uma troca com outras pessoas pobres, algumas um pouco mais estudadas que eu.

Quem é você hoje?
Atualmente, estudo Produção Cultural na faculdade do IFRJ em Nilópolis. Anteriormente, enquanto cursava Química no IFRJ, eu planejava trabalhar em uma fábrica, mas nunca consegui emprego devido à alta taxa de desemprego.
E aí eu fui estudar outra coisa, fui fazer curso técnico em iluminação cênica. Por isso eu estudo produção cultural no IFRJ. Lá eu desenvolvo o movimento estudantil, ainda nessa perspectiva de transformar as coisas, eu busco trazer essa perspectiva para outras pessoas.
Eu sou presidente do Centro Acadêmico, que é uma representação dos estudantes do meu curso. Isso tem me dado um trabalho também, mas é um trabalho voluntário que realizo.
Trabalho com iluminação cênica para peças de teatro, mais na cidade do Rio de Janeiro, que é onde existem mais investimentos em cultura e é onde eu consigo ter um salário.
Na Baixada eu não consigo ter um salário, mas aprovei que um projeto pela Lei Paulo Gustavo, na cidade de Nilópolis, e estou produzindo esse projeto onde atuo como produtora musical e roteirista. O projeto tem como perspectiva apresentar a realidade de uma pessoa trans, não-binária, trabalhando com arte na cidade de Nilópolis.
Eu sou uma pessoa trans, não-binária, que trabalha com arte, nem sempre na cidade de Nilópolis, mas esse projeto visa trazer essa perspectiva. Então estou fazendo essas coisas hoje em dia.

Como você explicaria para um amigo da sua idade o que é o RapLab e por que ele deveria participar?
O RapLab é um encontro onde nos reunimos com pessoas interessadas em rap, de vários lugares, com várias vivências. Trocamos ideias sobre um tema específico, que reflete as experiências de todos os participantes. Durante o debate, entramos em contato com diversas perspectivas, experiências e ideias. Após isso, escrevemos uma música coletivamente inspirada nessas discussões.
Então, se você nunca fez música, se você nunca fez rap, é uma chance de você ter essa experiência pela primeira vez. E, ao mesmo tempo, mesmo que você não tenha interesse nenhum por rap, você vai ter a oportunidade de conhecer várias pessoas legais.
Hoje em dia é muito difícil você conseguir conversar com as pessoas, pessoalmente, ouvir a voz das pessoas falando sobre as coisas, falando sobre temáticas profundas. E o RapLab é uma conversa coletiva com um monte de gente legal.
Acredito que mesmo que você não tenha interesse no rap, você vai conhecer alguém que, de repente, vai ser alguém muito importante pra sua vida. Então, acho que vale a pena você ir.

Você apresentaria para uma diretora de escola da mesma forma como apresentou para um amigo?
Não, eu abordaria a diretora e explicaria que faço parte do projeto RapLab, o qual visa promover o desenvolvimento da escrita e da palavra entre jovens.
É um projeto que desenvolve a formação de jovens para poderem apresentar suas ideias, porque os jovens pensam muito, mas raramente conseguem colocar suas ideias de uma maneira contundente na sociedade. O adolescente brinca muito e dificilmente consegue colocar suas opiniões de uma maneira efetiva. O RapLab existe para desenvolver isso nas pessoas.
É um espaço onde esses jovens vão poder falar sobre temáticas que, inclusive, você, diretora, pode me ajudar a escolher, que seja interessante de trabalhar com esses jovens. A gente pode trabalhar sobre a temática do machismo, sobre a temática dos assédios, ou sobre a temática do Enem.
A gente pode trabalhar sobre a importância de se fazer faculdade. A gente vai conseguir descobrir entre esses jovens o que eles pensam sobre essa temática, e isso pode ser interessante para a sua escola, para poder construir novas iniciativas a respeito desses jovens.
E no final, a gente vai fazer um rap. E vai ser uma produção coletiva entre os jovens, e pode ser que isso desperte em alguns deles a vontade da escrita de poesia. A gente sabe que a escrita de poesia instiga outras coisas. Eles vão escrever um rap, depois pensar em escrever a própria poesia, depois pensar em escrever um texto maior. E vai acabar tendo mais facilidade para poder fazer uma redação.
Os jovens ouvem muitas músicas, mas dificilmente enxergam nessas músicas a poesia que tem, e conseguem entender as mensagens que estão por trás, e o RapLab faz o movimento contrário, ele constrói uma poesia com uma mensagem que foi discutida antes. Isso ensina aos jovens a consumirem essas artes que eles já consomem constantemente de uma maneira mais crítica, e desenvolverem a capacidade de fazer essas artes de uma maneira mais crítica também.
Os jovens frequentemente ouvem muitas músicas, mas raramente reconhecem a poesia nelas e compreendem as mensagens que estão por trás. O RapLab faz o movimento contrário, construindo poesias com mensagens discutidas anteriormente. Isso pode ensinar aos jovens a consumirem as artes que já consomem de maneira crítica e desenvolverem a capacidade de produzi-las de forma crítica também.
Creio que seria uma coisa muito positiva para a juventude dessa escola, porque o nosso maior interesse é o desenvolvimento desses jovens que estão aí.

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, educador popular, produtor cultural, escritor, mestre e doutorando em Educação (UFF). Dudu de Morro Agudo lançou os discos "Rolo Compressor" (2010) e "O Dever Me Chama" (2018); é autor do livro "Enraizados: Os Híbridos Glocais"; Diretor dos documentários "Mães do Hip Hop" (2010) e "O Custo da Oportunidade" (2017). Atualmente atua como diretor geral do Instituto Enraizados; CEO da Hulle Brasil; coordenador do Curso Popular Enraizados.

Deixe um comentário