quinta-feira, 13 junho, 2024

Hip-hop ‘viking’ em Queimados

No próximo dia 20/05 (quarta-feira), o cantor de hip-hop da Finlândia, Paleface, fará um workshop gratuito de Beatmaking para 25
jovens rappers, no conjunto habitacional Valdariosa, na periferia de Queimados.

O encontro, das 15h às 18h30, reúne ainda, entre outros músicos da trupe escandinava, o ator e também músico Joonas Saartamo – o Jonde, que em seguida promoverá um workshop de improvisação.

Além de jovens de Queimados, o encontro também vai receber jovens de Mesquita e de Morro Agudo. “Curti o som deles na
primeira visita aqui em Valdariosa e não vejo a hora de repetir a dose de mostrar nossa arte e duelar com rappers famosos”, diz Kaique Diniz,
integrante do grupo Roda de Rima, que realiza batalhas de rap na região.

A iniciativa é parte do projeto de cooperação cultural Finlândia-Brasil, liderado pelo DJ, baterista e produtor cultural Tommi Suoknuuti e contou com o apoio do rapper brasileiro Marcelo Yuka.

Um antigo admirador da música finlandesa, Yuka articulou diversas incursões musicais para o grupo, entre elas, uma na Cidade de Deus, no domingo, 17 de maio. As oficinas em Queimados serão integradas às ações culturais do projeto MaisValdariosa, de desenvolvimento local do conjunto habitacional Parque Valdariosa, realizado pelo Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (IETS) em parceria com o Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase).

O conteúdo desse intercâmbio, assim como o resultante de um tour cultural pelo Rio, das favelas à Lapa, dará origem a uma minissérie para a TV
finlandesa, com cinco capítulos de dez minutos. “A ideia é contar, através do olhar de cada um de nós, músicos finlandeses, a experiência musical nas favelas, nos projetos sociais da cidade e na noite carioca”, conta Paleface, que vem ao Brasil pela segunda vez (na primeira, ele se apresentou com a banda finlandesa Maria Gasolina).

Ainda faz parte do grupo o rapper Gracias, de 27 anos, nascido no Congo, vencedor de vários prêmios de música e considerado um artista revelação na Finlândia.

 

Sobre Dudu de Morro Agudo

Rapper, educador popular, produtor cultural, escritor, mestre e doutorando em Educação (UFF). Dudu de Morro Agudo lançou os discos "Rolo Compressor" (2010) e "O Dever Me Chama" (2018); é autor do livro "Enraizados: Os Híbridos Glocais"; Diretor dos documentários "Mães do Hip Hop" (2010) e "O Custo da Oportunidade" (2017). Atualmente atua como diretor geral do Instituto Enraizados; CEO da Hulle Brasil; coordenador do Curso Popular Enraizados.

Além disso, veja

O papel da educação clandestina na formação Política

Este texto reflete sobre o conceito de "Educação Clandestina", destacando sua abordagem contrária ao ensino formal. Explora as lacunas do sistema educacional brasileiro, particularmente em relação à alfabetização e ao letramento nas escolas periféricas. Descreve como movimentos sociais reúnem conhecimentos diversos, ausentes das instituições formais, promovendo uma troca que desafia o status quo. Aponta a importância da conscientização política e da ação crítica na transformação da realidade. Destaca a educação clandestina como um processo contínuo de formação política, capaz de despertar indivíduos para a realidade e capacitá-los a questionar, refletir e agir em prol da mudança social.

Deixe um comentário