O Emicida e a Emicidio

Por Cristiane Oliveira em www.rapnacional.com.br

“Emicidio” é o título da nova mixtape do rapper Emicida.

Esta mixtape segue a mesma ideologia da primeira mixtape “Pra quem já mordeu um cachorro por comida até que cheguei longe“, gravado um a um, embalado um a um pelas mãos do próprio mc e dos parceiros que fazem parte da “Laboratório Fantasma” o cd é vendido a R$ 2,00 quando comprado diretamente na mão do Emicida e R$ 5,00 quando comprado pela internet ou nas lojas e distribuidores autorizados.

Entre as 18 faixas, algumas tratam de critica social, como por exemplo “Cê lá faz idéia“, que questiona o tratamento dado aos negros e favelados, desde o momento que este inicia sua vida escolar.

Velhos amigos” é dedicada à seus amigos e trás uma levada gostosa de se ouvir, fala da importância dos verdadeiros amigos.
O amor ao Hip Hop é rimado na faixa “Isso não pode se perder” a satisfação de ser deste movimento é cantada no refrão pela belíssima voz de Xênia.
“Santo Amaro da Purificação” traz a fé, pra quem ouve pela primeira vez pode parecer estranha, mas a letra é bem ecumênica traz elementos religiosos formando um discurso bem contundente a respeito da fé.

Então toma”, e “Emicidio” trazem produção de Renam Samam, a que da nome a mixtape é uma evolução do Emicida, que diz ter morrido e nascido de novo para se livrar dos fardos e poder alcançar lugares mais altos.
Um final de semana” traz talvez sua própria realidade, a vida de um cara que viu sua vida mudar bruscamente, o desejo de ficar um final de semana de boa em casa, acontecimento que não é mais possível pelos compromissos com shows, viagens.
“Novo Nego  Veio” conta a primeira vez de um pai, a magia de um filho, faixa produzida por Dário.

As faixas “Rinha (Já ouviu falar?)” e “Santa Cruz” falam de batalhas de Freestyle, esta segunda termina com o áudio do resultado de uma disputa.

A Sensibilidade para falar da vida de uma Profissional do Sexo
Sem desmerecer nenhuma das 18 faixas, bem pensadas e bem produzidas pelo Emicida e por todos que participaram deste projeto a música  “Rua Augusta” mostra a sensibilidade do rapper para falar de mulher que já pode ser conferida no EP “Sua mina ouve meu rap também”, cd gravado especialmente com letras que falam das mulheres e para as mulheres. Segundo o MC a característica de falar com propriedade sobre o universo feminino  vem do fato dele ter sido criado por uma família formada essencialmente por mulheres “Eu fui criado por uma família de mulher, então eu vi várias histórias de mina, eu vi as minas sofrendo pelos caras, eu tenho uma tendência muito grande a compreender um pouco melhor, não que eu pense como uma mina (risos)”, comentou Emicida, que mais uma vez ousou ao falar das minas, desta vez ele tomou como foco a vida das prostitutas e na faixa“Rua Augusta” ele descreveu os dramas dessas profissionais do sexo, que por algum motivo vendem o corpo, doando um pedaço de si para o prazer alheio, faixa que de longe é a que mais nos leva a olhar a realidade por um outro angulo, esquecendo as “putas” e vendo simplesmente as mulheres.
Em entrevista ao site ultimo segundo no dia 26/09/2010, Emicida deu a seguinte declaração sobre esta musica “Conheço varias putas, sei os bastidores da coisa. Passo ali e vejo não como quem come uma puta, mas penso nos filhos que ela tem para criar, se está com frio. Ninguém decide ser prostituta com 8 anos de idade”.

Sobre @PetterMC

Rapper, jornalista, pesquisador e videomaker. Head na Agência #TudoNosso e tutor de projetos de comunicação na Agência de Redes para Juventude. Escreve sua coluna no #PortalEnraizados todas as quartas.

Além disso, veja

Um mês sem curtir, e aí?

Não mais gente mutilada. Não mais gatinhos sendo maltratados. Não mais acidentes fatais envolvendo motociclistas - o que me perturba muito!

Deixe uma resposta para Marcão Baixada Cancelar resposta