Portal Enraizados entrevista Lívia Cruz

Aos 14 anos, Lívia Cruz, já participava de grupos de rap iniciantes, em Recife, sua cidade natal.
Ainda adolescente, mudou-se para o RJ e com a Brutal Crew, gravou seu primeiro som, “Viúva Rainha”, produzido por DJ Babão, e foi indicada a um prêmio, em 2003. Em 2007 e 2009, foi indicada novamente, desta vez com a canção “Mel e Dendê”, onde foi premiada na edição de 2009. Participou da Mixtape Rotação 33, lançada em CD e DVD em 2008, pelo DJ KL Jay. Mudou-se para Brasília, para a produção do seu disco solo. Lançou a canção “A Cartomante”, e com o videoclipe da canção, concorreu ao bloco “Garagem do Faustão”, com grande aceitação do público. Atualmente reside em São Paulo, ao lado de seu companheiro, Max B.O, e juntos gravaram a canção “Vem pra perto de mim”, que será lançada dia 2 de maio, fará parte do seu disco e também terá um videoclipe, que será lançado em breve. Confira a entrevista com Lívia:

Marcão: Como foi seu envolvimento com a música?
Lívia Cruz: Cresci em um lar muito musical, meu pai é baixista profissional e minha mãe sempre cantou em festas e reuniões de amigos. Meu trabalho como cantora começou com a composição, com a poesia, antes de pensar em cantar eu já escrevia e ainda hoje é isso que pauta minha caminhada, valorizo muito a mensagem que uma canção passa e é o meu foco principal na hora de cantar e escrever.

Quais são suas influências?
Na hora de escrever, sou influenciada por tudo a minha volta, estou sempre refletindo sobre o que vi ou vivi. Na hora de cantar me inspiro nas grandes divas, Jill Scott da gringa, Marisa Monte daqui, entre tantas outras. A minha maior influência no RAP do Brasil que marcou uma época e mudou minha vida foi a Brutal Crew.

Ainda adolescente, você se iniciou em grupos de rap, em Recife. Como foi essa experiência, e como era a cena do rap na cidade, nessa época?
Foi uma experiência muito valida, o que aprendi lá naquela época foi decisivo em toda minha trajetória, nossos trabalhos eram muito originais, porque as referências eram muito poucas, então criamos uma maneira muito peculiar pro nosso RAP e nossa cultura Hip-Hop, em geral. Recife já tinha uma cena sólida com grupos como Faces do Subúrbio, Spider e Incógnita RAP, Víruz e etc… O que acho mais interessante desse período, é que a cena Underground era quase que um único corpo, todas as tribos se encontravam nas manifestações culturais populares, Recife é uma cidade muito artística e musical, do meio pro fim dos anos 90 era o auge do movimento mangue beat e naturalmente o RAP-PE é muito carregado dessas influências ao mesmo tempo em que também influenciou muito esses movimentos paralelos.

Você se mudou para o Rio de Janeiro, e nos trabalhos com a Brutal Crew, lançou “Viúva Rainha” em 2003, e foi indicada a um prêmio, e em 2007 e 2009, foi indicada novamente com a canção “Mel e Dendê”, tendo sida premiada em 2009. Como foi a sua reação ao saber dessas indicações e da premiação?
A primeira indicação foi muito inesperada por ter sido minha primeira gravacão, na época eu não fazia ideia desse potencial. Foi maravilhoso, porque pra mim era um sonho assistir a cerimônia, sonhava em descolar um convite e ver meus ídolos, ser indicada foi muito além naquela época. Comecei a sonhar mais alto e consegui realizar. Ganhei o premio em 2009. Foi um dos momentos mais felizes da minha carreira.

Você participou da Rotação 33 Fita Mixada, como foi trabalhar com KL Jay?
Foi um grande divisor de águas.  Ele é uma pessoa que eu gostaria de manter sempre em minha vida profissional, pelo seu poder de transformação e ousadia, sem contar o incontestável talento. Trabalhar com ele me fez encarar o RAP de outra forma e mudar minha postura, isso refletiu para os outros e reverberou, sou grata pra sempre.

“A Cartomante” concorreu ao bloco Garagem do Faustão, que teve boa aceitação do público. Como foi o retorno e qual a importância disso?
O retorno foi legal, dei entrevistas pra jornais de Brasília, onde eu residia na época, abriu os horizontes para um publico diferente. Entendi que a música brasileira esta precisando de renovação, está precisando urgente se reinventar, especialmente a música independente, o RAP precisa se profissionalizar, temos um potencial pop muito grande, acho que a transformação social que o RAP/ HIP-HOP promove poderia ser ampliada se a gente ocupar mais espaços de destaque e tiver mais contato com o grande público.

Como está a produção do seu disco?
Estou fazendo uma grande renovação, disponibilizei 7 faixas de um promo gravado em 2009/10 e vou trazer um disco totalmente novo. Vocês vão poder conferir os primeiros singles em breve.

Como é a relação com o Max na música? Vocês costumam compor juntos?
Nós fizemos uma composição juntos, “Vem pra perto de mim”, produzida por Damien Seth, que vamos lançar o single com videoclipe em breve. Gravei em “Luz da Rua”, para o disco dele e devem surgir novas parcerias, mas acredito que num processo natural, nossos trabalhos vinham caminhando independentes até agora, nossa união influencia nosso trabalho, mas temos foco nos nossos projetos pessoais.

Confira o teaser do videoclipe da canção “Vem pra perto de Mim”:
[yframe url=’http://www.youtube.com/watch?v=TvQ9D1vPbGY’] Atualmente, no Brasil, como está o protagonismo feminino no Rap?
Fico feliz de ver muitas mulheres produzindo e colocando seus trampos na rua. Vou ficar mais feliz de ver a mulherada chegando nos outros seguimentos, quero dizer, fortalecendo a cena em todas as profissões, como videomaker, produção artística, musical, produção de eventos, técnicas, etc.

Lívia, muito obrigado pela entrevista, gostaria que deixasse uma mensagem aos leitores do Portal…
Salve geral que tá na conexão, muito obrigada pelo carinho do Portal, continuem acompanhando a nossa trajetória. Enraizados e eu TAMO JUNTO!

Saiba mais sobre o trabalho de Lívia no MySpace: http://www.myspace.com/LiviaCruzOficial

Sobre Marcão Baixada

Rapper, compositor e produtor. Take Back the Mic’s Hip Hop World Champion (2015). Curador e host do projeto Hip Hop Conhecimento.

Além disso, veja

Brisa Flow leva show de lançamento do álbum “Selvagem Como o Vento” para Niterói

A cantora, rapper e multi-instrumentista Brisa Flow se apresenta pela primeira vez em Niterói. O …

6 comentários

  1. q dahora mano…entrevista perfeita e bem encaixada!!!!!
    Parabens Livia pelo trampo executado e parabens ao marcao pela entrevista!!!
    SHHHOOOOOOOWWW

  2. Da hora a entrevista, Marcão! Mas fiquei confuso quanto o prêmio que a Lívia ganhou, qual foi?

    PAz,

    @PetterMC

  3. Muito boa matéria! Faço as minhas palavras a da Lívia: Adoro ver a mulherada fortalecendo “em todas as profissões, como videomaker, produção artística, musical, produção de eventos, técnicas, etc. ”
    😀

  4. Ela é bela em todos os sentidos! Parabéns guerreira! Parabéns Marcão por mais um trabalho, dentre tantos!

  5. O protagonismo feminino está além das fronteiras da cena musical. Atualmente as mulheres conquistaram seus espaços em todos os setores da sociedade, desde o trabalho na Construção Civil, cargos de comando em grandes empresas até Presidência de um país. Mostrando que mulher pode ser uma profissional de sucesso ao mesmo tempo sendo uma boa mãe, esposa, filha de fato uma cidadã por completo.
    A Lívia Cruz ajuda a construir a imagem de uma ‘mulher moderna e independente ‘. Parabéns pelo seu trabalho, sorte em sua vida. Marcão continua escrevendo muito bem, ótima entrevista! Portal Enraizados sempre trazendo conteúdo de qualidade.

    ‘ Não é preciso ser anti-homem para ser pró-mulher. ‘
    (Jane Galvin Lewis)

    @Giflorentino

  6. Entrevista loka viu !!! Ótima mesmo, muito interessante…
    Parabéns ai …

Deixe um comentário

Paste your AdWords Remarketing code here